Manifestantes protestam contra violência policial, por direitos de imigrantes e pela saúde na França

O sábado (20) foi marcado por protestos em diversas cidades da França pelos direitos dos migrantes, contra a violência policial e para denunciar a falta de recursos para os hospitais. Com a proibição em vigor de grandes aglomerações, a polícia francesa fez uma triagem entre os pedidos de manifestações e somente autorizou aquelas em que os organizadores se comprometeram a cumprir regras sanitárias.

Em Paris, milhares de pessoas, incluindo muitos malianos, participaram de uma caminhada pela regularização da situação de migrantes sem documentos e por moradia para todos. O cortejo partiu no início da tarde da Praça da Nação em direção a Praça Stalingrado, no leste da capital francesa.

Os manifestantes exibiam placas amarelas com o desenho de um homem com o punho erguido. Eles pediam, entre outras demandas, o fechamento dos centros de detenção administrativa e acesso à moradia digna para estrangeiros sem documentos.

Entre eles estava Babacar Sall, que chegou do Senegal há 3 anos, e protestava em Paris primeira vez. “Nós não temos documentos. Isso é um problema até para comer”, disse o homem, de 42 anos, morador de Montreuil, que deixou a esposa e a filha em seu país de origem. “Às vezes, envio € 20, às vezes € 30, o que eu posso”, acrescentou.