Justiça do DF destina R$ 26,9 milhões da J&F para a Fiocruz

A Justiça Federal do Distrito Federal determinou nesta quinta-feira (2) a destinação de R$ 26,9 milhões da empresa J&F para a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Ao determinar a destinação dos recursos, a Justiça atendeu a um pedido da força-tarefa que atua na Operação Greenfield. A J&F foi consultada sobre o assunto e concordou com o envio do dinheiro.

Os recursos fazem parte do acordo de leniência assinado pela J&F e estavam em uma conta da Caixa Econômica. O montante será usado na compra de 1,8 milhão de testes rápidos de Covid-19, a doença provocada pelo novo coronavírus.

A J&F, controlada pelo empresário Joesley Batista, assinou acordo de leniência no âmbito da Operação Lava Jato. Joesley e o irmão dele, Wesley Batista, fecharam acordo de delação premiada e admitiram crimes investigados na operação.

Os procuradores da força-tarefa argumentaram à Justiça que o enfrentamento da pandemia exige “diagnóstico rápido da doença, o que permitirá a adoção de medidas de prevenção e a cura mais eficientes, além de servir de mecanismo para pesquisas científicas e para a adoção de políticas públicas”.

Os procuradores chegaram a pedir à J&F que pagasse adiantado o valor total do acordo de leniência, assinado em 2017, de R$ 7,5 bilhões. A ideia era repassar o dinheiro para o Ministério da Saúde, mas a empresa não concordou, alegando dificuldade financeira para atender ao pedido neste momento.