UFC 261: Kamaru Usman garante que revanche será pior para Jorge Masvidal

Kamaru Usman não esconde a confiança para a revanche contra Jorge Masvidal na luta principal do UFC 261, que acontece no próximo sábado em Jacksonville, na Flórida. Em entrevista exclusiva ao Combate, o campeão dos pesos-meio-médios da organização revelou não ter gostado da sua atuação contra o rival deste sábado na primeira luta entre os dois, no UFC 251, e que a performance abaixo do esperado e já ter vencido todos os principais rivais da categoria o motivaram a querer conceder a revanche ao americano.

Kamaru Usman não esconde a confiança para a luta contra Jorge Masvidal no UFC 261 — Foto: Evelyn Rodrigues

Kamaru Usman não esconde a confiança para a luta contra Jorge Masvidal no UFC 261 — Foto: Evelyn Rodrigues

– Eu escolhi enfrentar Masvidal novamente porque eu não estava satisfeito com a minha competitividade. Ele é um bom lutador, um cara duro, mas eu estou tão a frente desses caras que eu já estou dando uma volta de vantagem em cima da fila que eles formam. Já estou novamente chegando ao fim dessa fila, e já estou vendo todos eles novamente. Masvidal acaba sendo o primeiro cara que eu vejo, e vou dar a ele novamente a oportunidade de me enfrentar.

Apesar de não ter gostado do que mostrou no UFC 251, Usman revelou que o principal motivo para ter decidido enfrentar novamente Jorge Masvidal foi ter ouvido o rival dizer, na coletiva de imprensa, que com mais tempo para se preparar, ele poderia vencê-lo – Masvidal aceitou a luta contra Usman com apenas seis dias de antecedência para o torneio.

Kamaru Usman não gostou da sua performance contra Jorge Masvidal no UFC 251 — Foto: Getty Images

Kamaru Usman não gostou da sua performance contra Jorge Masvidal no UFC 251 — Foto: Getty Images

– O principal sempre é a minha performance, porque sei que sou muito melhor do que mostrei na nossa primeira luta. E, como eu disse, não estava totalmente satisfeito com a minha atuação, porque conheço as minhas habilidades. Mas quando estava indo para a coletiva de imprensa, eu o ouvi dizer que tinha certeza que conseguiria me vencer. Aquilo foi um combustível extra para mim, porque eu já disse antes, e direi novamente: tudo o que esses caras disserem fora do octógono pode e será usado contra eles quando entrarem no octógono. Eu já estava insatisfeito com a minha atuação naquela luta, mas agora vou fazer ser pior para ele, porque tenho que colocar um ponto de exclamação nessa revanche. Vou me divertir no sábado à noite. Eu tive mais tempo para me preparar, e eu adoro isso. Como ele é muito duro, eu gostei de me preparar com o foco apenas nele. Para essa luta eu tive a oportunidade de fazer isso. E todos já viram o que eu faço quando tenho tempo para me preparar.

Ter vencido todos os principais nomes do peso-meio-médio (Colby Covington, Jorge Masvidal, Gilbert Durinho, Tyron Woodley, Rafael dos Anjos e Demian Maia, entre outros) provou, segundo o nigeriano, que ele tem uma grande capacidade de adaptação tanto aos estilos de luta quanto ao comportamento dos adversários antes dos duelos.

Kamaru Usman fará no UFC 261 a sua quarta defesa de cinturão — Foto: Jeff Bottari/Zuffa LLC

Kamaru Usman fará no UFC 261 a sua quarta defesa de cinturão — Foto: Jeff Bottari/Zuffa LLC

– Se existe uma coisa que eu mostrei em todas as minhas lutas é que eu consigo me adaptar a qualquer situação. Seja a um cara que seja desrespeitoso, que diz muitas coisas sobre mim e sobre a minha família, seja a um cara que apenas queira promover a luta, seja a um ex-companheiro de treinos ou a um amigo. Não importa. No fim das contas, eu sou o campeão e consigo isolar tudo isso de mim quando piso no octógono para fazer o meu trabalho.

A reação após a vitória sobre Gilbert Durinho no UFC 258, quando pediu que o respeitassem, segundo Usman, se deu por conta da forma como imprensa e fãs apontaram, na sua opinião, o brasileiro como um grande perigo ao seu reinado na categoria, o que ele considerou uma certa falta de respeito pelo que já havia conquistado e mostrado no UFC.

– Foi uma resposta emotiva, porque antes da luta muitos fãs e muitos críticos disseram que Gilbert poderia ser o cara que me venceria, porque treinamos juntos e ele me conhecia há anos, que ele era um oponente perigosíssimo no chão e em pé. Eu achei de certa forma desrespeitoso, porque não sou campeão à toa. Eu ganhei todos esses caras, com todos os estilos: especialistas em luta agarrada, em trocação… Não importa. Eu mostrei e provei que sou o melhor de todos. Na promoção daquela luta eu não senti que eles estavam respeitando o campeão como deveriam. Por isso, quando cumpri aquela missão, eu quis lembrá-los de ter algum respeito pelo campeão.

Francis Ngannou, Kamaru Usman e Israel Adesanya: trio campeão do UFC — Foto: Getty Images

Francis Ngannou, Kamaru Usman e Israel Adesanya: trio campeão do UFC — Foto: Getty Images

A ascensão dos lutadores africanos no UFC – o continente possui três campeões (Usman no peso-meio-médio, Israel Adesanya no peso-médio e Francis Ngannou no peso-pesado) – é vista como a prova de que é necessário investimento nos atletas do continente, para que os jovens passem a ver o MMA como um esporte que pode mudar suas vidas, como o futebol.

– É incrível que tantos novos países tenham sucesso no UFC. Isso mostra quanto o MMA cresceu em todo o mundo. Agora não é mais só a América que tem sucesso no MMA, é o mundo todo, falando inglês ou não, esses caras continuam a treinar e a evoluir, e é por isso que estamos vendo campeões africanos. Hoje estamos vivendo uma época incrível. Quando eu era criança, jamais vi campeões nesse tipo de esporte que me fizessem pensar que eu poderia ter sucesso fora do futebol, do basquete ou do críquete. Hoje tem mais um esporte que nós podemos praticar. Ser o primeiro a conseguir aparecer no topo desse esporte me faz ser uma inspiração e uma motivação para essas crianças. Nós já mostramos que podemos ser campeões. Podemos chegar ao topo vindo de famílias humildes. Agora só precisamos da força para nos desenvolver. Temos que investir na África, que é um continente de guerreiros que podem melhorar suas vidas na luta e dar um futuro melhor a si mesmos e às suas famílias.

A parceria entre Kamaru Usman e Francis Ngannou – o nigeriano participou dos treinos e esteve no córner do camaronês na vitória sobre Stipe Miocic no UFC 260, que lhe rendeu o cinturão mundial dos pesos-pesados – prosseguirá no UFC 261. Segundo Usman, como seu irmão mais novo, Mohammed, está em quarentena para fazer sua estreia no GP dos pesos-pesados da PFL, Ngannou estará em seu córner no próximo sábado.

Kamaru Usman e Francis Ngannou têm ajudado nos treinos um do outro no UFC — Foto: Evelyn Rodrigues

Kamaru Usman e Francis Ngannou têm ajudado nos treinos um do outro no UFC — Foto: Evelyn Rodrigues

– Infelizmente meu irmão maior, Mohammed Usman, está em quarentena, porque ele vai competir na PFL em maio, e não pode estar aqui. Estamos sentindo muito a sua falta, mas se tenho um outro irmão para trazer comigo, é Francis Ngannou. Mal poso esperar. A nossa experiência juntos foi incrível. Poder vê-lo trabalhar e entender como a sua cabeça funciona e como ele vê o esporte e a vida como pessoa é incrível. E é impressionante ver até onde ele chegou. Ter essa energia comigo é sensacional. Quando você tem uma energia poderosa ao seu redor, você consegue fazer coisas incríveis.

Serviço do UFC 261

 

Combate transmite o UFC 261 ao vivo e com exclusividade neste sábado a partir das 18h55 (horário de Brasília). O SporTV 3 e o Combate.com mostram o “Aquecimento Combate” e as duas primeiras lutas ao vivo no mesmo horário; o site acompanha todo o evento em Tempo Real.

UFC 261
24 de abril de 2021, em Jacksonville (EUA)
CARD PRINCIPAL (23h, horário de Brasília):
Peso-meio-médio: Kamaru Usman x Jorge Masvidal
Peso-palha: Weili Zhang x Rose Namajunas
Peso-mosca: Valentina Shevchenko x Jéssica Bate-Estaca
Peso-médio: Uriah Hall x Chris Weidman
Peso-meio-pesado: Anthony Smith x Jimmy Crute
CARD PRELIMINAR (19h15, horário de Brasília):
Peso-meio-médio: Alex Cowboy x Randy Brown
Peso-meio-médio: Dwight Grant x Stefan Sekulic
Peso-médio: Karl Roberson x Brendan Allen
Peso-pena: Pat Sabatini x Tristan Connelly
Peso-galo: Danaa Batgerel x Kevin Natividad
Peso-leve: Rodrigo Vargas x Rong Zhu
Peso-mosca: Aori Qileng x Jeff Molina
Peso-palha: Na Liang x Ariane Sorriso