Semed realiza capacitação para mais de 800 profissionais da Educação Especial

Com o objetivo de oferecer uma educação de excelência aos alunos da educação especial da Rede Municipal de Ensino (Reme), a Secretaria Municipal de Educação (Semed), por meio da Divisão de Educação Especial está realizando, até esta sexta-feira, a formação “Apoio Especializado para Atendimento aos Alunos com Deficiência”, que visa capacitar os Assistentes Educacionais Inclusivos (AEIs), que atuarão como apoio aos professores regentes nas unidades escolares da Reme no ano letivo de 2020.

Na manhã desta quinta-feira (30), os profissionais se reuniram no Cotolengo Sul-Mato-Grossense para o primeiro dia de palestras. Até sexta-feira (31), os técnicos Mary Meiry de Moura, Marcio Luiz de Oliveira de Aquino, Elilze de Paula Borges e Lima e Aline Mara Alves Maciel, irão ministrar palestras que abrangem temas desde a área comportamental até deficiência intelectual.

Na abertura do evento, o prefeito Marquinhos Trad falou sobre o empenho da gestão em transformar o trabalho da Educação Especial da Reme em referência nacional. “Nestes três últimos anos nós imprimimos um lema de amor e respeito à estas crianças, por isso muitas saíram da rede particular  para se matricularem em nossas unidades porque os pais viram a seriedade do nosso trabalho”, pontuou.

A secretária municipal de Educação, Elza Fernandes, destacou que o conhecimento e experiências repassados pelos técnicos também auxiliam os profissionais no momento de acolher os familiares das crianças com deficiência. “Trabalhar na Educação Especial significa também passar segurança aos pais que chegam ansiosos na escola, por isso trabalhamos para fazer o encaminhamento mais adequado e estas formações são a oportunidade para trocarmos experiências”, disse.

A formação ainda engloba os Auxiliares Pedagógicos Especializados (Apes) e intérpretes, totalizando 850 pessoas.

Encontros

Desde segunda-feira (27), os profissionais vêm participando de  reuniões que aconteceram em seis  escolas polos da educação especial, em período integral, contemplando as áreas de atendimento oferecidas aos alunos com deficiência,  como surdez, cegueira, baixa-visão, deficiência intelectual e transtorno do espectro autista (TEA).

Segundo a chefe da Divisão de Educação Especial da Rede Municipal de Ensino (Reme), Lizabete Coutinho, a realização da capacitação antes do início das aulas é importante para acolher os novos profissionais e fortalecer as orientações sobre como agir em sala de aula e como proceder em relação ao aluno da Educação Especial nas mais diversas situações.

Nos encontros realizados nos polos, os profissionais receberam informações básicas e confeccionaram material lúdico de diversas disciplinas para  adequarem as atividades  de sala de aula a realidade de cada aluno. Também receberam orientações sobre a produção de relatórios e plano de educação individualizado,

“Foi uma formação prática, esses três dias, e hoje e amanhã iremos repassar conhecimentos acadêmicos. Já na próxima semana eles participarão das formações nas escolas em que irão trabalhar, para conhecer a realidade da unidade”, explicou.

Lizabete Coutinho ainda disse que o atendimento aos alunos da Educação Especial oferecido pela Reme é único no país, por isso a cada ano a demanda de alunos vem crescendo, tanto que o ano letivo irá começar dia seis de fevereiro já com 2,6 mil alunos com deficiência matriculados. Para atender a este público, 513 Assistentes de Educação Inclusiva e 353 Auxiliares Pedagógicos Especializados estão distribuídos nas escolas da Reme.

Suporte

Para os profissionais que estão participando da formação, a oportunidade de conhecimento oferecida pela Reme, leva mais segurança ao trabalho desenvolvido A Assistente de Educação Inclusiva Juliana Gonçalves Ramires Rodrigues, que é fisioterapeuta e atua na Escola Municipal “Etalívio Pereira Martins” há um ano, elogiou a iniciativa. “Se fosse pagar um curso desses, seria muito caro, temos que aproveitar essa oportunidade para nos especializarmos. A gente aprende a olhar de uma maneira diferente o aluno. É um desafio”, ressaltou.

A Assistente Educacional Inclusiva Vanessa Pereira de Souza, que conta uma Pós-Graduação na área e já trabalhava com crianças com deficiência, disse estar satisfeita com o aprendizado que vem obtendo há um ano.  “O sorriso, o olhar, os gestos destes alunos são muito gratificantes. É muito boa esta troca de experiência e esta formação é um suporte muito importante”, enfatizou.