Naufrágio na Grécia deixa ao menos 16 refugiados mortos na véspera de Natal

GRÉCIA – Ao menos 16 pessoas morreram no naufrágio de um barco de imigrantes na ilha grega de Paros, no Mar Egeu, na sexta-feira, véspera de natal. Esse é o terceiro desastre marítimo envolvendo embarcação de refugiados em águas gregas desde quarta-feira, somando cerca de 30 mortos ao todo, segundo a guarda costeira do país.

As autoridades organizaram uma operação de busca e resgate durante a noite a noroeste de Paros. Recursos aéreos e marítimos foram implantados na área, disse a guarda costeira.

A Grécia é uma das principais rotas de entrada da União Europeia para migrantes e refugiados da África, Oriente Médio e além, embora o fluxo tenha diminuído desde 2015-2016, quando mais de um milhão de pessoas cruzaram o país para outros estados da União Europeia.

Acredita-se que oitenta pessoas estivessem a bordo do navio, que, segundo a guarda costeira, teria se dirigido para a Itália vindo da Turquia. As circunstâncias em que o navio virou não eram claras.

Giannis Plakiotakis, ministro do transporte marítimo da Grécia, disse que gangues de traficantes foram responsáveis pelos desastres.

As gangues “são indiferentes à vida humana, empilhando dezenas de pessoas, sem coletes salva-vidas, em embarcações que não obedecem aos mais básicos padrões de segurança”, disse ele em nota por escrito.

Na manhã de sexta-feira, as autoridades gregas disseram que recuperaram 11 corpos da cena de outro naufrágio, quando um veleiro que transportava migrantes naufragou em uma ilhota desabitada no sul da Grécia na quinta-feira.

Outras 90 pessoas foram resgatadas nessa operação. A guarda costeira disse que as informações iniciais sugeriam que esses migrantes também estavam indo para a Itália.

Durante a noite, entre terça e quarta-feira, um barco que supostamente transportava até 50 migrantes naufragou na ilha de Folegandros, com o desaparecimento de dezenas.