Líder do governo admite “tempo perdido” no planejamento da vacinação no Brasil

Nem bem deixou o ministério, Eduardo Pazuello já passou a receber um tratamento diferente dos políticos que, até outro dia, tentavam blindá-lo. Depois de meses defendendo sua gestão dos ataques da oposição, o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), reconheceu falhas no plano de vacinação conduzido pelo ex-ministro.

A fala ocorreu na sessão de ontem do Senado, quando se discutia a convocação do novo titular da pasta da Saúde, Marcelo Queiroga, para apresentar à comissão de acompanhamento do combate à pandemia um plano contra a falta oxigênio hospitalar no país. Fornecedores de oxigênio de pelo menos três estados já alertaram que os estoques estão se esgotando.

Ao dizer que Queiroga está à disposição para prestar informações aos senadores, Bezerra Filho afirmou que o novo ministro está empenhado no diálogo com governadores, prefeitos e com o Congresso, para “reiterar a prioridade na campanha de imunização, recuperar o tempo perdido no planejamento da aquisição das vacinas e portanto viabilizar num prazo mais curto possível a ampla vacinação dos brasileiros. (veja vídeo acima)

O convite para Queiroga falar à comissão da Covid foi aprovado, mas Bezerra pediu um tempo aos senadores para marcar a data da audiência. A razão que ele apresentou para o adiamento espantou os senadores: o novo ministro só toma posse nesta quinta-feira, e não se sabe ainda quem fica e quem sai, na transição de Pazuello para Queiroga. No pior momento da pandemia, portanto, o governo não tem alguém para explicar ao público qual é o plano para evitar que falte oxigênio nos hospitais brasileiros.