FAMÍLIA DE MARIELLE CRITICA ABSOLVIÇÃO DE DESEMBARGADORA QUE PUBLICOU FAKE NEWS: ‘IMPUNIDADE TOTAL’

A decisão da Corte Especial do STJ foi nesta quarta-feira.

“Surreal. Ela (Neves) esteve frente a frente com minha mãe e não pediu desculpas. Hoje, está saindo completamente ilesa. A sensação é de impunidade total, mas não podemos baixar a cabeça, teremos outras batalhas”, disse Anielle Franco, irmã de Marielle e diretora-executiva do Instituto Marielle Franco.

Monica Benício, viúva de Marielle e eleita recentemente à Câmara de Vereadores do Rio, apresentou um projeto de lei contra fake news nesta quarta-feira.

“A legislação dificultaria muito a vida de quem lucra com mentiras. Gostaria que as pessoas fizessem o exercício de se imaginarem lendo isso imediatamente após perder o grande amor de suas vidas sabendo que isso era uma grande mentira. Foram muitas as formas que usaram mataram Marielle. Fake news foi uma delas”.

Os ministros do STJ entenderam que as retratações publicadas pela juíza em redes sociais foram suficientes para absolvê-la da acusação de calúnia.

Em 2018, dois dias após a morte de Marielle Franco, a desembargadora Marília Castro Neves, do TJ do Rio, escreveu em suas redes sociais que a vereadora era engajada com criminosos e que teria sido assassinada por ter “descumprido compromissos” com traficantes, o que não é verdade.

No próximo dia 14, completam-se três anos da morte de Marielle.

O crime ainda não foi solucionado.