Corinthians vence Santos, quebra jejum na Vila e fica a um ponto de classificação

Fim de jejum na Vila

Corinthians encerrou um longo jejum na Vila Belmiro, venceu o Santos por 2 a 0, aumentou as questões que pairam sobre o rival e ainda ficou bem perto da classificação às quartas de final do Campeonato Paulista. Tudo isso na noite deste domingo, em jogo válido pela oitava rodada do estadual e com times reservas dos dois lados, que representou a primeira vitória do Timão no estádio do Peixe desde 2014 – desde então, eram sete clássicos por lá e sete vitórias santistas. Pratas da casa, o zagueiro Raul e o lateral-esquerdo Lucas Piton fizeram os gols do Corinthians, que agora está a um ponto de assegurar vaga na próxima fase. O Peixe tem situação mais difícil, principalmente às vésperas de um jogo com ares de decisão contra o Boca Juniors, terça-feira, pela Libertadores.

Modo Libertadores

Mesmo com time reserva neste domingo, é inegável que a derrota em um clássico influencia o ânimo do elenco. O desafio de Ariel Holan, agora, é fazer o Peixe esquecer o Corinthians e pensar no Boca Juniors, adversário de terça-feira, na Bombonera, pela Libertadores – já sem Soteldo, negociado com o Toronto FC, mas com Marinho, que esteve no banco de reservas neste domingo, mas não foi utilizado.

Como fica?

A vitória leva o Corinthians aos 21 pontos em dez jogos, disparado na liderança do Grupo A – Santo André, Inter de Limeira e Botafogo-SP têm seis pontos cada (os dois primeiros, em tese, ainda podem alcançar o Timão). Um empate alvinegro nos dois jogos restantes (São Paulo e Novorizontino) basta para a vaga. Já o Santos permanece com nove pontos, em segundo no Grupo D, mas com o líder Mirassol um pouco mais longe. CLIQUE AQUI e simule os resultados do Paulistão.

Disputa de bola em Santos x Corinthians

Disputa de bola em Santos x Corinthians (Foto: Marcos Ribolli)

Choro e emoção

Aos 21 anos, o zagueiro Raul começa a se firmar como opção a Vagner Mancini no Corinthians. Seguro, o garoto tomou conta do ataque do Santos e ainda fez seu primeiro gol como profissional, no fim do primeiro tempo. Na comemoração, teve choro e emoção por causa da homenagem à irmã, morta no ano passado – Raul carrega a foto dela em uma camisa.

Modo Libertadores

Mesmo com time reserva neste domingo, é inegável que a derrota em um clássico influencia o ânimo do elenco. O desafio de Ariel Holan, agora, é fazer o Peixe esquecer o Corinthians e pensar no Boca Juniors, adversário de terça-feira, na Bombonera, pela Libertadores – já sem Soteldo, negociado com o Toronto FC, mas com Marinho, que esteve no banco de reservas neste domingo, mas não foi utilizado.

Primeiro tempo

As 10 finalizações do Corinthians (contra apenas duas do Santos) retratam bem o que foi a primeira etapa. Mesmo sem um armador nato, o Timão obteve maior sucesso no que se propôs a fazer, com um meio-campo forte e que dominou seu setor, enquanto o Peixe, com três zagueiros postados e sem mobilidade, apostou em bolas longas para Bruno Marques e Kaio Jorge e deixou um buraco entre suas linhas. Por ali, o zagueiro/lateral João Victor, o volante Gabriel e até o zagueiro Raul se arriscaram – este último arrancou da intermediária, venceu a marcação e chutou com muito perigo. Já melhor na partida, o Corinthians chegou ao primeiro gol após bola aérea, rebote de Vladimir em finalização de Jemerson e chute certeiro de Raul, que marcou pela primeira vez como profissional. A expulsão de Wellington Tim, que levou dois cartões amarelos “caçando” corintianos na entrada da área, piorou a situação. Na cobrança de falta seguinte ao cartão vermelho, Lucas Piton bateu com perfeição e fez 2 x 0.

Segundo tempo

Com um a menos, o Santos não teve muito o que fazer. Ariel Holan até tentou aumentar a velocidade com Lucas Venuto para fazer companhia a Renyer, que havia substituído o lesionado Bruno Marques na primeira etapa. O Timão continuou dono do jogo e quase marcou com Gabriel Pereira, após vacilo de Luiz Felipe, e em chute de João Victor após boa jogada pelo lado direito. Depois, o Peixe se arriscou um pouco mais e até encontrou espaços, como em chute de Kevin Malthus já dentro da área. Vagner Mancini e Holan rodaram seus times com substituições e esperaram o tempo passar, num clássico que foi resolvido com o que aconteceu nos primeiros 45 minutos.

Central do Apito

O zagueiro Wellington Tim foi expulso no fim do primeiro tempo pelo árbitro Salim Fende Chavez – ele levou dois cartões amarelos após duas faltas na entrada da área. De acordo com o comentarista Paulo César de Oliveira, o cartão vermelho foi bem aplicado.

GE/ SP