Conta usada por Steve Bannon, ex-assessor de Trump, é banida do Twitter por incitar violência

Ele sugeriu em um vídeo que autoridade em doenças infecciosas dos EUA e diretor do FBI deveriam ser decapitados. Material também foi removido do Facebook e YouTube

Steve Bannon é visto ao deixar a Corte Federal de Manhattan, após pagar fiança e ser solto em agosto de 2020. — Foto: Reuters/Andrew Kelly

O Twitter baniu uma conta utilizada por Steve Bannon, ex-assessor do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, após ele sugerir em um vídeo que Anthony Fauci, autoridade em doenças infecciosas do EUA, e Christopher Wray, diretor do FBI, deveriam ser decapitados.

A rede social disse em comunicado à rede de televisão americana NBC que “a conta @WarRoomPandemic foi suspensa de forma permanente por violar as regras do Twitter, especificamente a política sobre a glorificação da violência.”

Em uma conversa sobre um possível segundo mandato de Donald Trump, Bannon pediu a demissão de Fauci e Wray, e depois disse que “na verdade gostaria de dar um passo a mais”.

Ele continuou a frase afirmando que “colocaria cabeças em piques” como forma de “aviso para os burocratas federais”, fazendo referências aos tempos de Tudor na Inglaterra.

Os comentários também foram compartilhados em contas do ex-assessor no Facebook e YouTube, que removeram os vídeos.

Um porta-voz do YouTube disse que o vídeo foi removido “por violar a política relacionada a incitação à violência”.

A plataforma emitiu um aviso para a conta, que pode ser encerrada após receber três penalidades desse tipo.

Em agosto, Bannon foi preso sob a acusação de desviar dinheiro de uma campanha de apoio à construção de um muro entre os Estados Unidos e o México. Ele liberado sob uma fiança de US$ 5 milhões.