Câmara do Rio deve abrir hoje processo de cassação do vereador Dr. Jairinho

Uma reunião extraordinária do Conselho de Ética da Câmara Municipal, convocada para hoje à tarde, deverá marcar a abertura de um processo de cassação do mandato do vereador Dr. Jairinho. Expulso do partido Solidariedade, ele já perdeu a presidência da Comissão de Justiça, a mais importante da Casa. O parlamentar está preso sob a acusação de ter provocado a morte de seu enteado, Henry, de 4 anos, em 8 de março.

A professora Monique Medeiros da Costa e Silva, mãe de Henry, contraiu Covid-19. O diagnóstico foi dado por meio de um teste de PCR ao qual ela se submeteu anteontem no Instituto Penal Ismael Sirieiro, em Niterói.

Presa há duas semanas, Monique foi levada ao Hospital Penitenciário Hamilton Agostinho, no Complexo de Gericinó, na Zona Oeste do Rio. Não foram divulgadas informações sobre seu quadro clínico, mas, ontem à noite, a Secretaria municipal de Saúde do Rio revelou que ela fazia uma tomografia no Hospital Albert Schweitzer, em Realengo.

Antes do exame na unidade de saúde de Realengo, o secretário estadual de Administração Penitenciária, Raphael Montenegro, disse que a professora seria tratada numa cela de isolamento do Hamilton Agostinho por 14 dias.

Na segunda-feira retrasada, a professora já havia sido levada ao hospital penitenciário. Na ocasião, foi diagnosticada com infecção urinária.

Assim como Jairinho, Monique cumpre prisão temporária de 30 dias. Em entrevista à rádio CBN, o diretor do Departamento de Polícia da Capital, delegado Antenor Lopes Martins Júnior, afirmou ontem que o inquérito sobre o caso poderá ser concluído esta semana.