Bovespa fecha em queda com aumento das tensões na Ucrânia; ações das Americanas caem mais de 6%

O principal índice de ações da bolsa de valores de São Paulo, a B3, fechou em queda nesta segunda-feira (21), acompanhando a reação global a renovados temores de possível invasão russa na Ucrânia, depois do reconhecimento pela Rússia de regiões rebeldes no país vizinho.

O Ibovespa recuou 1,02%, a 111.725 pontos. Veja mais cotações.

As ações das Americanas caíram 6,61%, depois que os sites de e-commerce da empresa saíram do ar.

Na sexta-feira, a bolsa recuou 0,57%, a 112.880 pontos. Com o resultado desta segunda, passou a acumular queda de 0,37% no mês. No ano, o avanço é de 6,59%.

Secretário de Estado americano reforça alerta dos EUA de que a Rússia está prestes a invadir a Ucrânia

Secretário de Estado americano reforça alerta dos EUA de que a Rússia está prestes a invadir a Ucrânia

Cenário

 

Os mercados não operaram nesta segunda-feira nos EUA em razão do feriado do Dia dos Presidentes.

A tensão aumentou nos mercados financeiros depois que o presidente russo, Vladimir Putin, disse que reconhece duas regiões separatistas da Ucrânia , Luhansk e Donetsk, como independentes, em mais um passo que ajuda a incendiar a crise naquela parte do leste europeu.

Em uma dura mensagem recheada de argumentos históricos, ele alegou que as terras ancestrais do leste ucraniano são russas. Disse ainda que a Ucrânia moderna é uma invenção da União Soviética. “A Ucrânia é parte integrante da nossa história”, afirmou.

Por aqui, o foco segue nas discussões no Congresso em torno de alternativas para a redução do preço dos combustíveis e do novo pacote de concessão de crédito a pequenas e médias empresas e a microempresários que está sendo preparado pelo Ministério da Economia.

O mercado financeiro elevou pela sexta semana seguida a estimativa de inflação para 2022, que passou de 5,50% para 5,56%, segundo boletim Focus do Banco Central divulgado nesta segunda.

Para a taxa básica de juros, a Selic, foi mantida a expectativa de 12,25% ao ano para o fim de 2022. O mercado financeiro manteve também a previsão de crescimento do PIB deste ano em 0,30%. Já a projeção para a taxa de câmbio no fim de 2022 recuou de R$ 5,58 para R$ 5,50. Para o fim de 2023, caiu de R$ 5,45 para R$ 5,36 por dólar.

Analistas destacam que o fluxo de capital de investidores estrangeiros continua significativo nos últimos dias e e se mostrado o principal vetor para a continuidade de recuperação da bolsa brasileira em 2022.