As histórias comoventes dos tabus nos Clássicos dos Milhões, entre Vasco e Flamengo

O Flamengo quebrou uma escrita de nove jogos sem perder para o Vasco, que parecia absolutamente improvável, quando aconteceu, entre 2015 e 2016. Coincidiu com a campanha do terceiro rebaixamento vascaíno as nove partidas sem triunfos rubro-negros, apesar do crescimento de gestão na Gávea.

Depois da quebra de tabu, o Flamengo iniciou sua maior sequência sem perder para o maior rival. São dezesseis clássicos, sete triunfos rubro-negros, nove empates. O Vasco não ganha desde os 2 x 0 de Manaus, em 2016 e, no Maracanã, desde os 2 x 1, em setembro de 2015, gols de Nenê e Rodrigo.

É a maior sequência sem derrotas do Flamengo, mas não a maior série invicta da história do Clássico dos Milhões.

Entre 1945 e 1951, o Vasco passou vinte jogos sem perder. O 17o destes encontros aconteceu em São Januário e registrou massacre vascaino por 5 x 2.

O Vasco de camisas e calções brancos, meias listradas em branco e preto, e o Flamengo com seu uniforme número, encontraram-se no ainda maior estádio do Rio de Janeiro.

O Flamengo fez 2 x 0 em seis minutos, com gols de Augusto, contra, e Gringo.

Mas o Expresso da Vitória empatou ainda no primeiro tempo com Danilo e Maneca.

O mesmo Maneca fez 3 x 2 no início da segunda etapa. Depois, Nestor e Ipojucan fecharam a goleada por 5 x 2.

Ao final da partida, a torcida rubro-negra irada queimou a camisa de Jair Rosa Pinto.

Até a morte, Jair murou que não queimaram sua camisa: “Queimaram uma camisa 10 do Flamengo, não a minha.” Claro, era simbólico.

Jair seguiu sendo camisa 10 da seleção brasileira. Mas, uma semana depois, estreou pelo Palmeiras.

O Flamengo só voltaria a ganhar pelo Rio São Paulo de 1951, por 2 x 1, com gols de Aloísio e Beto.

21/agosto/1949

CAMPEONATO CARIOCA – SEGUNDO TURNO

VASCO 5 x 2 FLAMENGO

Local: São Januário.

Vasco: Barbosa; Augusto e Sampaio; Eli, Danilo e Jorge; Nestor, Maneca, Ademir, Ipojucan e Mário. Técnico: Flávio Costa.

Flamengo: Garcia; Juvenal e Job; Valdir, Bria e Jaime; Luisinho, Gringo, Zizinho, Jair e Esquerdinha. Técnico: Togo Renan Soares (o Kanela).

Árbitro: MacPherson Dundas.

Gols: Augusto (contra) 3′, Gringo 6′, Danilo 17′ e Maneca 27′ do 1º tempo; Maneca 8′, Nestor 16′ e Ipojucan 32′ do 2º tempo.

Expulsão: Esquerdinha.