Vítimas do Jacarezinho mandaram mensagens para a família antes de morrer: ‘Tô encurralado. Ora aí’

Parentes dos mortos da operação da Polícia Civil no Jacarezinho mostraram trocas de mensagens pelo WhatsApp que revelam como foram os últimos momentos de alguns deles durante o tiroteio na manhã desta quinta-feira (6). A operação foi considerada a mais letal da história do RJ.

Na porta do Instituto Médico Legal, na Região Central do Rio, nesta sexta-feira (6), Rosiane Mendes, tia de John Jefferson Mendes Rufino da Silva, 30 anos, mostrava a conversa que ele teve com a com a irmã Ingrid Hellen.

No texto, ele diz que está na casa, encurralado e pede para ela orar por ele.

A irmã responde: “Não sai daí de jeito nenhum”, no texto enviado às 8h15 da manhã desta quinta.

Rosiane também diz que trocava mensagem com John, mas apagou por medo. A última que ele respondeu foi às 8h24. Depois, ela ainda insistiu mandando pontos e emojis, mas não recebeu mas nenhum retorno de John.

Operação e investigação

A operação deixou 28 mortos, um deles o policial civil André Leonardo de Mello Frias, 48 anos, que foi enterrado na tarde desta sexta, no Cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap. Em entrevista no dia da operação, a polícia disse que os mortos eram todos criminosos.