Vice-presidente da CPI quer convocar executivos e quebrar o sigilo de empresas ajudadas por Bolsonaro

BRASÍLIA – O vice-presidente da CPI da Covid, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) anunciou nesta quinta-feira que vai pedir a convocação de executivos da empresa farmacêutica EMS. Ele também vai solicitar a quebra de sigilo da EMS e da Apsen. Reportagem do GLOBO publicada nesta quinta mostrou que o presidente Jair Bolsonaro atuou diretamente em favor das duas empresas privadas solicitando ao primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, em abril do ano passado que acelerasse a exportação de insumos para a fabricação de hidroxicloroquina, medicamento comprovadamente ineficaz contra a Covid-19.

— Estou protocolando e solicitando que seja colocado na pauta para a apreciação na semana que vem os requerimentos de convocação de executivos da EMS e da quebra de sigilos das empresas Apsen e EMS em decorrência dos notórios acontecimentos e elementos e indícios que temos no âmbito desta comissão — disse Randolfe.

 

Um telegrama secreto do Ministério das Relações Exteriores em posse da CPI da Covid no Senado e obtido pelo GLOBO contém a transcrição do telefonema feito por Bolsonaro no qual o presidente cita nominalmente as empresas EMS e Apsen ao pedir que a Índia liberasse a exportação dos produtos. Senadores da comissão avaliam que a ligação é prova importante do envolvimento pessoal do presidente com o fornecimento para o Brasil do remédio sem eficácia.