Véspera de feriado movimentou as ruas e apenas 42,3% manteve cuidado essencial para enfrentar Covid-19

Pelo segundo dia seguido, os dados que monitoram a taxa de isolamento social no Brasil mostram que a população de Mato Grosso do Sul é a que menos tem cumprido com a única medida eficaz para reduzir o contágio do coronavírus: o distanciamento social. A taxa média de isolamento do brasileiro registrada na base de dados da In Loco nesta quinta-feira (9.4) véspera de feriado da Paixão de Cristo, foi de 48,4%, enquanto a do Estado ficou em 42,3%.

O comportamento do sul-mato-grossense diante da gravidade da pandemia reflete diretamente no número de casos confirmados que deu um salto de 89 para 97 nas últimas 24 horas. O avanço foi apresentado no boletim epidemiológico da Secretaria de Estado de Saúde (SES) desta sexta-feira (10.4) que também registra 32 casos suspeitos e dois óbitos.

Com mais um caso confirmado de coronavírus totalizando 49, a Capital contou com apenas 41,3% da população cumprindo o isolamento social nesta quinta. As regiões da cidade com mais movimentação foram Vida Nova II, Nova Lima, Itamaracá, Serradinho, e Campo Verde. No comparativo com os outros dias da mesma semana o índice de Campo Grande apresenta praticamente o mesmo cenário de quarta-feira (39,6%), terça-feira (41,3%), e segunda-feira (42,1%).

No ranking dos municípios que menos cumpriu isolamento estão: Jardim (36,9%), Amambai (37%), Eldorado (38,1%), Maracaju (38,5%), Naviraí (38,5%), Miranda (38,6%), Sidrolândia (39%), Nova Andradina (39,8%), Costa Rica (40%) e Paranaíba (40%).

Das cidades que deram exemplo nesta quinta-feira, estão: Ladário (68,5%), Japorã (68,4%), Bela Vista (67,6%), Jateí (65,2%), Laguna Carapã (63%), Sete Quedas (61,4%), Novo Horizonte do Sul (61,4%), Jaraguari (60,5%) e Alcinópolis (58,1%).

A base de dados da In Loco, tem como referência 60 milhões de telefones celulares existentes no País, e tem sido utilizada por cientistas e autoridades em saúde de todo País para estudar o comportamento da população e como isso tem refletido no aumento dos casos confirmados. Foi comprovado que o aumento da reclusão no fim do mês de março evitou infecções e internações. Porém o afrouxamento das medidas de isolamento nos municípios pode mudar o cenário nas próximas semanas.