Sylvinho vê Corinthians pronto para 2022 e se irrita com notícias falsas sobre futuro: “É ridículo”

O técnico Sylvinho admitiu a má atuação do Corinthians na derrota por 1 a 0 para o Juventude, em Caxias do Sul, mas definiu o resultado final do Campeonato Brasileiro de 2021 para o Timão como bom.

Com 57 pontos, o Timão terminou em quinto lugar e jogará a próxima Libertadores. Bancado pela diretoria, ele acredita que seguirá com bastante cobrança por parte do torcedor, mas vê boas perspectivas de crescimento.

– Cobranças são absolutamente normais. Cumprimos o nosso objetivo. O cenário exterior duvidava que esse time ia se manter em em Primeira Divisão, eu peguei assim esse time. E em nenhum momento em 38 rodadas tivemos: “Olha, perdeu e caiu na zona.” O trabalho foi se construindo, viramos o turno em sexto lugar. Muita gente elogiando nosso trabalho, é um momento em que uma camisa poderosa se constrói e entra numa Libertadores em vaga direta. Foi um grande trabalho, queremos sempre mais, a pressão vem, é normal, a camisa é forte, mas estamos preparados para 2022.

Como o ge mostrou na quinta-feira, o técnico foi alvo de boatos ao longo da semana sobre o seu futuro. Notícias falsas diziam que ele entregaria o cargo ao término da competição. Muito irritado, ele desabafou sobre a situação na entrevista coletiva:

– É triste o que a gente está vivendo. Notícias falsas das quais a gente tem que perder tempo, 24h falando com assessoria (de imprensa), com pessoas sérias que nos ligam e perguntam: “Há fundamento?”. Não há, nunca houve, nunca passou pela minha cabeça pedir demissão. Estamos tendo resultados, sendo respaldados, com um ambiente ótimo. Olha o cúmulo que vivemos. Gastar 24 horas antes do jogo para explicar que jamais passou pela minha cabeça, para desmentir algo. Vivemos um mundo surreal. Nunca houve, é irresponsabilidade de quem cria esse tipo de notícia, que planta, é ridículo. Vamos falar de coisas substanciais, coisas que valem à pena – declarou o treinador.

Outro momento de bastante irritação na coletiva foi quando um repórter perguntou se o Corinthians realmente jogou com vontade de vencer o Juventude ou se foi a campo para rebaixar o Grêmio.

– Tu está sendo leviano na sua pergunta. Somos profissionais de alto nível, de reputação ilibada, trabalhamos, se a performance não foi boa, em outros momentos também não foi. Fomos para o Ceará e perdemos, formos para o Maracanã e perdemos. Outros cenários não foram bons. A gente não controla o resultado, às vezes a performance escapa. O jogo não foi bom, tivemos dificuldades para criar, agredir o adversário. Fizemos um gol, se bem anulado eu não sei, Jô relata que foi gol, que só escora (no zagueiro). Não foi visto no VAR. O pênalti foi visto no VAR. Mas somos íntegros no que fazemos – declarou.

Veja mais trechos da coletiva:

 

  • Renato Augusto e Willian no banco

 

– Pensei em usar sim, o jogo pedia velocidade, profundidade. Viajei com todos, quis trazer todos. Cantillo chegou no limite, treinou três dias conosco, ficou na iminência de ser convocado e optamos por não trazer pelo risco grande, não estava com fase completa de transição.

– Renato Augusto saiu exausto do último jogo, nem pisou em campo nos treinos. Veio pois acreditávamos numa recuperação, mas não teve plena recuperação. Willian voltou a campo no penúltimo dia, mas temos preocupação ainda maior, é um jogador que voltou de cenário europeu, teve algumas partidas, sofreu lesão…Tinha risco de colocar em campo.

  • Nível alto de cobranças

 

– Trabalhar no Corinthians, no Barcelona, Arsenal, Manchester City é cobrança. Eu, com 20 anos jogava no Pacaembu com 45 mil pessoas em semifinal e final de Copa do Brasil, cobrança é cobrança, faz parte do trabalho. Joguei no Camp Nou com 90 mil pessoas, desde jovem estamos acostumados, entendemos cobranças e críticas. Algumas a gente despreza, ela tem que ser bem construída.

– Fizemos no primeiro turno um time, no segundo turno outro, respeitando que esses atletas tiveram mais dificuldade, pois chegaram no meio da competição. Tinha de respeitar as etapas e jogaram pouquíssimo tempo juntos.

Futuro de Luan

– Roberto (de Andrade) e Alessandro (Nunes) vão botar em pauta (em entrevista coletiva na terça-feira) muitos assuntos relacionados à nossa construção de grupo e vão poder se estender no que temos discutido nos últimos 10, 12 ou 15 dias.

Quinta posição

– Queríamos a quarta, estivemos nela por umas cinco rodadas, mas não ficamos navegando nela, nós a conquistamos. Muita gente afirma que nosso resultado é muito bom, ninguém antes disse que poderíamos estar na Libertadores com vaga direta. Foi com suor, trabalho e dedicação. Os atletas têm falado, vocês que não querem aceitar, mas os atletas têm falado do trabalho correto, honesto e de muita virtude.