Shoppings de Campo Grande suspendem aluguel de lojistas durante quarentena

Shoppings da capital devem ter período de suspensão das atividades prolongado, devido ao coronavírus

Foto: Midiamax

Sem previsão para volta das atividades comerciais, shoppings de Campo Grande suspendem a cobrança do aluguel para lojistas durante período da quarentena. A suspensão das atividades do setor foi realizada com base no decreto n.º 14.195, como forma de enfrentamento da pandemia do Covid-19, o novo coronavírus.

O prefeito Marquinhos Trad (PSD) informou que ao contrário do restante do comércio da cidade, que deve ter os decretos flexibilizados a partir de 7 de abril, shoppings e escolas terão o período de suspensão das atividades ampliado. Visando ajudar os comerciantes, a administrações do Shopping Bosque dos Ipês e do Pátio Central já suspenderam o aluguel dos estabelecimentos válido a partir do mês de março.

Segundo a superintendente do Shopping Bosque dos Ipês, Adriana Flores, no shopping será anulado o aluguel referente ao mês de março. “A administração suspendeu a cobrança de aluguéis de todos os varejistas referentes ao mês de março, para ajudá-los com fluxo de caixa. Além disso, eles estarão isentos também do fundo de promoção”, disse em nota.

No Pátio Central, os lojistas pagarão apenas os dias em que estiveram abertos, antes dos decretos. Segundo a superintendente do shopping, Helma Firmino, foi suspendida “a cobrança de aluguel do mês de março dos nossos lojistas devido ao fechamento do Shopping em meio à pandemia do coronavírus. O período que as lojas ficaram fechadas haverá isenção do aluguel e serão cobrados os dias que permaneceram abertos posteriormente”, afirmou.

O Shopping Campo Grande não se posicionou sobre o assunto, mas em nota informou que segue cumprindo as recomendações do governo. Confira a nota na íntegra:

O Shopping Campo Grande colabora com o combate ao avanço da Covid-19 na Capital e, em conjunto com os lojistas, busca medidas para superar esse período, seguindo todas as recomendações do poder público“.