Será que o vereador Doutor de Campo Grande vai demitir seu assessor após o mesmo dar uma Mata-leão na esposa?

Flamariom Patrizio Diniz, de 27 anos, assessor do vereador Victor Rocha (PP), em Campo Grande, foi preso em flagrante nesta quinta-feira (23), no Bairro Cabreúva, após dar um golpe mata-leão e agredir a esposa, de 29, com socos, durante uma ‘crise de ciúmes’. A mulher pediu medida protetiva e o caso é apurado pela Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher).

De acordo com as informações da polícia, o casal está junto há seis anos, entre idas e vindas. A mulher contou que conseguiu um emprego na área da arquitetura e como o companheiro era bastante ciumento, resolveu levá-lo nesta quinta para conhecer o espaço onde iria trabalhar.

Ao chegar no local, o assessor começou a discutir com a futura empregadora. Diante da situação, a mulher resolveu ir embora para casa. Já na residência, o casal iniciou uma discussão, quando o autor xingou a vítima, afirmando que ela teria arrumado um trabalho como desculpa para sair de casa.

Durante a discussão, ele mandou a vítima embora. “Vou te quebrar no pau, você vai perder o marido que te ama por causa do trabalho”, teria dito. Então, a mulher pegou uma bicicleta e, antes que saísse, foi impedida pelo assessor. “Essa bicicleta é minha, eu que paguei. Não vai sair”, disse.

Após isso, começou a dar socos na vítima e um golpe de mata-leão. Ela mordeu o homem para tentar se desvencilhar e começou a gritar por socorro, momento em que um vizinho chegou e afirmou que chamaria a polícia. A mulher então correu para o banheiro. Em seguida, o homem foi atrás e deu um tapa na boca da vítima.

A Polícia Militar foi acionada e ele foi preso em flagrante pelo crime de lesão corporal, ameaça e injúria. Ainda, de acordo com a Deam, a mulher já registrou dois boletins de ocorrência contra o assessor, em 2017 e 2020. Ela já tinha pedido medida protetiva, mas o casal se reconciliou. Desta vez, a mulher pediu novamente medida protetiva e o caso é apurado pela Deam.

O vereador foi procurado, mas informou que ainda não sabia da prisão do assessor.