PREFEITURA PREPARA JOVENS PARA O MERCADO INTERNACIONAL A PARTIR DA ROTA BIOCEÂNICA

A Prefeitura Municipal de Campo Grande, por meio da Subsecretaria de Políticas para a Juventude (Subjuv), firmaram parceria entre a Subjuv e Sedesc com objetivo de produzir videoaulas de aprendizagem da língua espanhola no estúdio montado na sede da Subsecretaria de Políticas para Juventude, visando os jovens que atuam no comércio exterior da Capital.

A subsecretária Laura Miranda destaca como as ações da Subjuv podem contribuir neste sentido. “Dentro do nosso leque já temos nossa plataforma EAD, que proporcionamos capacitação e podemos usar com esse enfoque, de preparar nossa juventude, para essa questão de mercado internacional”, explica.

A preparação de empresas e pessoas é uma das funções do projeto . “Nós somos da região de fronteira, seria de melhor proveito se os jovens dominassem o idioma Espanhol, isso abriria o mercado e novas possibilidades para eles, e essa é nossa idéia nessa reunião, alinhar isso com quem já trabalha com os jovens de nossa cidade”, detalha o superintendente  Jhony Cesar

O Superintendente de Comércio Exterior da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e de Ciência e Tecnologia Jhony Cesar (Sedesc), e o  gerente de Promoção de Campo Grande no Exterior, Paulo Cesar Fialho, apresentaram o projeto Conhecer e Saber, para tratar da criação de cursos de capacitação visando à relação comércio exterior com o acesso da Rota Bioceânica, como meio de integração da cidade, para as conexões proporcionadas através dessa rota.

Os integrantes da Sedesc apresentaram o projeto; Conhecer e Saber tem o objetivo de capacitar os empresários e instituições que atuam dentro do comércio exterior em Campo Grande para criar a possibilidade de expandir suas ações para o cenário internacional.

Rota Bioceânica

A Rota de Integração Latino Americana (RILA), ou Rota Bioceânica, é um corredor rodoviário com extensão de 2.396 quilômetros, que pretende ligar o Oceano Atlântico aos portos de Antofagasta e Iquique, no Chile, passando por Paraguai e Argentina. Segundo seus propagadores, seria uma alternativa ao Porto de Santos (SP), encurtando distância e tempo para as exportações e importações brasileiras entre mercados potenciais na Ásia, Oceania e Costa Oeste dos Estados Unidos. No estado de Mato Grosso do Sul, a rodovia atravessa a parte sul do Pantanal.