Por um Brasil consciente e forte

O Brasil precisa ter consciência, por parte dos governos, dos políticos e das entidades de classe no tocante ao que representam suas riquezas naturais, sua abundância de água potável, a piscosidade dos seus rios e a riqueza de seu solo e subsolo e da sua porção oceânica, do seu potencial turístico.

Publicidade

Além disso temos que trabalhar no sentido de exercermos o papel de país de referência na América do Sul, considerando a nossa grandiosidade geográfica e populacional e o que representamos estrategicamente no concerto mundial das nações.

Para tanto é preciso a adequação da máquina pública, a modernização do estado, a instauração da ética nas relações governamentais, no meio político, nas suas instituições, no meio empresarial e em todo o tecido social.

Há que se trabalhar com firmeza e assertividade na realização que se fazem necessárias nas áreas da previdência social, tributária/fiscal e política.

Temos também que investir maciçamente na melhoria dos serviços públicos de saúde, segurança, trânsito, transporte e mobilidade urbana, logística e infraestrutura rodoviária, aeroportuária e hidroviária.

O investimento sério em pesquisa, desenvolvimento, e divulgação das inovações tecnológica, tudo sob o contexto de um pacto federativo que possibilite o pacto federativo, com a soerguimento econômico e social nos estados e nos municípios.

Sim, isto é possível, depende só da vontade política de todos os atores envolvidos, do respeito às instituições, da redução do custo Brasil, da restauração ética e moral, do esforço concentrado tanto dos entes governamentais quanto da sociedade civil como um todo.

O Brasil somos todos, devemos superar as divergências ideológicas e termos os olhos voltados para os interesses e necessidades de toda a coletividade. Mãos à obra.

Publicidade