Por dívida com Jorge Henrique, decisão impede Vasco de registrar atletas na CBF

O Vasco não cumpriu o acordo de pagar uma dívida de aproximadamente R$ 1 milhão com o atacante Jorge Henrique, que deixou o clube em 2017 e atualmente está no Náutico. Por conta da pendência, a Câmara Nacional de Resolução de Disputas (CNRD) decidiu que o Cruz-Maltino está impedido de registrar atletas na CBF. A Diretoria de Registro e Transferência, porém, ainda não foi comunicada de forma oficial do caso.

A informação foi publicada inicialmente pelo UOL e, posteriormente, confirmada pelo GloboEsporte.com.

Foi em 17 de dezembro que a CNDR publicou a decisão. Na época, o órgão concedeu prazo até o dia 20 de dezembro para a quitação da pendência. O Vasco havia programado o pagamento, porém, por conta da dificuldade financeira que enfrenta, não o confirmou.Procurado pelo GloboEsporte.com, o clube informou que trabalha para resolver a questão.

Até o momento, o Vasco fez uma contratação para a temporada 2020: o atacante argentino German Cano, que estava no Independiente de Medellín. Ele chegou ao Rio na noite de segunda-feira e foi recebido com grande festa da torcida. Por conta do trâmite burocrático, a equipe de São Januário estima ter a documentação necessária para registrá-lo apenas no dia 10 de janeiro. É quando abre a janela de transferências internacionais.

Consultada pelo GloboEsporte.com, a CBF informou que a Diretoria de Registro e Transferência ainda não foi comunicada de forma oficial da decisão da CNRD – o recesso de final de ano na entidade terminou no último domingo. Trata-se de um trâmite interno de envio de documentação. Quando isto ocorrer e se até lá o Vasco não tiver solucionado a pendência, terá bloqueado o acesso ao sistema de registro de atletas.

O acordo não cumprido

Jorge Henrique, campeão carioca em 2015 e 2016, fez dois acordos com o Vasco para receber atrasados – o primeiro na gestão Eurico Miranda. Depois de cessar o pagamento das parcelas, o jogador aceitou fazer nova combinação, esta segunda sob mandato de Alexandre Campello. Mas o pagamento não foi quitado conforme o combinado e então o atleta entrou na CNRD. A inadimplência gerou multas e juros sobre o montante em atraso.

O primeiro acordo foi feito em julho de 2018. Em dezembro do mesmo ano, o Vasco deixou de pagar. Então, em novembro do ano passado, a CNRD aplicou uma advertência e exigiu ao clube carioca o cumprimento do acordo de maneira integral até o dia 2 de dezembro de 2019. O Vasco, então, solicitou o prazo adicional de cinco dias para o cumprimento da obrigação.

No dia 10 de dezembro de 2019, pediu mais 72 horas. A relatora da CNRD, Ana Beatriz Macedo, na Ordem Processual número 2, que determinou a punição, ressaltou que se o Vasco não pagasse o valor integral a Jorge Henrique até o dia 20 de dezembro, o órgão iria “aplicar ao clube a sanção de proibição de registrar novos atletas pelo período determinado de seis meses”.

– O Vasco não honrou o acordo feito quando do término do contrato com o Jorge Henrique. Então, foi dada entrada na CNRD e foi feito mais um acordo para pagamento do saldo em 22 parcelas. Mas em dezembro de 2018 deixaram de pagar. Não pagaram mais nada e tampouco nos deram alguma previsão. Por isso, houve a decisão de proibir a inscrição de mais atletas. Momento agora é de aguardar o pagamento e, caso não ocorra, vamos estudar o que fazer – disse o advogado Bruno Castello Branco, que representa Jorge Henrique.

Das 22 parcelas, o Vasco pagou cinco. Jorge Henrique defendeu o Vasco entre 2015 e 2016, sendo bicampeão carioca, mas rebaixado no Campeonato Brasileiro de 2015. Pela quipe, fez 65 jogos e marcou quatro gols.

Caso semelhante

Curiosamente, o Náutico sofreu com algo bem parecido há pouquíssimo tempo. Por causa de dívidas com o ex-técnico Milton Cruz e o seu auxiliar técnico, Ivan Izzo (cerca de R$ 500 mil), o clube também ficou sem poder inscrever jogadores. Milton e Ivan ainda aceitaram dividir o valor em poucas parcelas, o que ainda era considerado “pesado” para o clube. Só em 18 de dezembro de 2019 foi que as duas partes chegaram a um acordo e agora o Náutico espera a resposta da CBF para poder inscrever os atletas contratados e os que renovaram contrato.