Playboys confundem condomínio com batalhão da PM e são presos com drogas

Flagrante ocorreu na madrugada de hoje (10) nos altos da Avenida Afonso Pena

Dupla foi presa em frente ao Batalhão de Choque. (Foto: Google Street View)

Dois jovens, de 19 e 21 anos, foram presos na madrugada desta terça-feira (10) com maconha em frente ao Batalhão de Choque da Polícia Militar, nos altos da Avenida Afonso Pena, em Campo Grande.

Segundo informações do boletim de ocorrência, a dupla estava em um carro de corridas de aplicativo e tinha como destino um condomínio de luxo ao lado do prédio do Batalhão de Choque.

O motorista errou a entrada do condomínio e parou o veículo em frente ao prédio da PM. Os dois jovens desceram do carro e acabaram abordados pelos policiais que estavam no local. Com eles, os militares encontraram quase 1 quilo de maconha.

À polícia, o suspeito de 21 anos, que mora em condomínio de luxo na saída para Cuiabá, contou que é atleta de lutas e que fez amizade com jovens de classe média alta na academia. No início da pandemia, ele deixou de treinar e começou a fazer o uso de maconha.

De acordo com o depoimento, como não gostam de ter contato com traficantes, ele e os amigos compram droga em maior quantidade e dividem entre si, para uso próprio.

No mês passado, o rapaz viajou para o Rio de Janeiro e um amigo de Campo Grande, morador do Conjunto União, entrou em contato e pediu dinheiro emprestado para comprar comida para a filha. Ele fez a transferência no valor de R$ 722.

O suspeito retornou de viagem no dia 4 deste mês e, ontem (9), o amigo entrou em contato e disse que pagaria o valor que pegou emprestado. Ele e o jovem de 19 anos contrataram corrida de aplicativo e foram até o Conjunto União. No local, o amigo disse que não tinha o dinheiro em espécie e que pagaria com maconha.

A dupla pegou a droga e seguiu rumo ao condomínio ao lado do Batalhão de Choque, onde usaria a maconha com mais três amigos.

A polícia foi até a casa no União e foi recebida pela dona da residência. Aos militares, a mulher contou que os filhos comercializam drogas no local quando ela sai para trabalhar. Eles não estavam na casa e não foram localizados.

Os amigos foram presos e levados para a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) do Centro.