Pivô de crise entre TSE e militares, general fica calado em reunião sobre urnas

Representante das Forças Armadas na comissão do TSE sobre a segurança do processo eleitoral, o general Heber Portella entrou mudo e saiu calado da reunião técnica ocorrida na tarde desta segunda-feira (20), relataram à equipe da coluna três participantes do encontro.

A comissão se reuniu nesta tarde por videoconferência por cerca de duas horas. Chamou a atenção dos presentes que Portella deixou a câmera fechada ao longo das discussões.

Durante a reunião, um dos técnicos do tribunal, Felipe Antoniazzi, explicou como se faz o cálculo de amostra do teste de integridade das urnas. Ele procurou traduzir para os presentes as respostas técnicas que o TSE enviou às Forças Armadas.

A reunião virtual foi aberta com as falas do presidente e do vice-presidente do TSE, Edson Fachin e Alexandre de Moraes, dois alvos preferenciais dos ataques disparados pelo presidente Jair Bolsonaro.

Fachin disse que ali era o foro adequado para os debates sobre as urnas – as Forças Armadas, no entanto, insistem para que o TSE marque uma reunião exclusiva de militares com técnicos do tribunal.

A comissão foi criada em setembro do ano passado para ampliar a “ampliar a transparência e a segurança de todas as etapas de preparação e realização das eleições”. Mas, na prática, o grupo tornou-se epicentro da crise instalada entre o TSE, de um lado, e as Forças Armadas e o Palácio do Planalto, de outro.

A comissão é formada por integrantes do Congresso, Tribunal de Contas da União (TCU), Polícia Federal, OAB e especialistas do meio acadêmico e da sociedade civil.

Durante a reunião, também foi discutido um projeto-piloto para acesso ao código-fonte da urna eletrônica fora do TSE. O objetivo do tribunal é disponibilizar a entidades credenciadas, fora do prédio do TSE, o acesso ao código-fonte.

A ideia é que sejam disponibilizados a especialistas da Polícia Federal, da Universidade Federal de Pernambucvo e da Universidade Estadual de Campinas os códigos-fonte dos sistemas utilizados para a geração de mídias, softwares instalados na urna e outros sistemas usados para apoio aos testes de integridade.

O projeto-piloto faz parte da ofensiva do TSE, de tornar mais transparente o processo eleitoral, permitindo que PF e especialistas do meio acadêmico inspecionem os sistemas e apresentem relatórios, com sugestões de aperfeiçoamento.

Comandante de Defesa Cibernética, Portella foi escolhido a dedo pelo ex-ministro da Defesa Braga Netto para compor o grupo. Netto é hoje cotado para ser companheiro de chapa de Jair Bolsonaro na disputa pela reeleição.

Nas palavras de um ministro do TSE, Portella recebeu de Braga Netto – então ministro da Defesa – a missão de “criar factoides” para justificar o “caos eleitoral”.

Ao longo dos últimos meses, os ofícios de Portella – que inundou o TSE com 88 perguntas sobre as diversas etapas do processo de votação – municiaram o presidente da República, que passou a usar as questões para reforçar os ataques contra a Justiça Eleitoral.

Em fevereiro, dois dias antes de uma reunião da comissão em que o general também não se manifestou, Bolsonaro declarou em um programa de rádio que “as Forças Armadas identificaram algumas dezenas de dúvidas, vamos assim dizer, sobre o sistema.”

Retaliação: O troco de Bolsonaro no TSE por lista hostil

Conforme revelou a coluna, atas dos encontros anteriores da comissão revelam que Portella intensificou a pressão sobre a comissão de transparência eleitoral depois do perdão de Jair Bolsonaro ao deputado Daniel Silveira (PTB-RJ).

A coluna obteve atas de três reuniões da comissão: a primeira, ocorrida em 13 de setembro do ano passado, quando foram iniciados os trabalhos do grupo; a segunda, da reunião de 14 de fevereiro deste ano, quando Bolsonaro já havia usado questionamentos do Exército sobre as urnas para atacar o sistema eleitoral; e a terceira é a da penúltima reunião, em 25 de abril.

Os desgastes com os sucessivos questionários e a escalada da tensão entre os poderes levaram o ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira, a decidir que o diálogo das Forças Armadas com a comissão deveria ser centralizado nele, e não mais em Portella.

Essa mudança foi interpretada nos bastidores foi uma forma de poupar o auxiliar de mais desgastes, tirando a pressão sobre o colega.

FonteGlobo

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui