Operação Furna da Onça investiga ‘mensalinho’ e manda prender 10 deputados estaduais do Rio

A Polícia Federal deflagrou nesta manhã quinta-feira, 8, a Operação Furna da Onça, para investigar a participação de deputados estaduais do Rio em esquema de corrupção, lavagem de dinheiro e loteamento de cargos públicos e mão de obra terceirizada em órgãos da administração estadual. A ação tem com a participação do Ministério Público Federal e o apoio da Receita.

O PEDIDO DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

Dez deputados da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) tiveram a prisão decretada – André Correa (DEM), Edson Albertassi (MDB, nova ordem de prisão), Chiquinho da Mangueira (PSC), Coronel Jairo (MDB), Jorge Picciani (MDB, nova prisão, continuando em domiciliar), Luiz Martins (PDT), Marcelo Simão (PP), Marcos Abrahão (Avante), Marcus Vinícius “Neskau” (PTB) e Paulo Melo (MDB, nova prisão). Os parlamentares são suspeitos de usar a Alerj em troca pagava propina mensal (‘mensalinho’) durante seu segundo mandato (2011-14). De acordo com as investigações, a propina resultava do sobrepreço de contratos estaduais e federais.

Entre os outros alvos, estão o secretário de Governo, Affonso Monnerat, o presidente do Detran/RJ, Leonardo Silva Jacob, e seu antecessor Vinícius Farah, recém-eleito deputado federal pelo MDB.

Um dos deputados presos, André Correa chegou por volta das 10h20 à sede da PF, no centro do Rio, e, se dirigindo a jornalistas que estavam no saguão, disse que “quem não deve não teme”.

“Quero dizer publicamente que mantenho minha candidatura à presidência da Alerj. Confio na Justiça do meu País, do meu Estado e na Justiça divina. Estou tão tranquilo que vim sem advogado”, afirmou Correa, contra quem foi expedido mandado de prisão preventiva. Ele foi reeleito para a Alerj.

A Furna da Onça é um desdobramento da Operação Cadeia Velha – deflagrada em novembro de 2017. A operação conta com 200 policias federais, 35 membros da Procuradoria da República e 10 auditores da Receita para cumprir 19 mandados de prisão temporária, 3 de prisão preventiva e 47 mandados de busca e apreensão, expedidos Tribunal Regional Federal da 2a Região (TRF2).

“As investigações contam uma história: a de como o ex-governador neutralizou, com propina e outras vantagens ilícitas, o controle que os deputados estaduais deveriam exercer sobre o Executivo, e, com isso, a organização criminosa se espalhou por vários órgãos e entidades do estado, provocando o sucateamento dos serviços prestados à população”, afirmam os procuradores Andréa Bayão, Carlos Aguiar e José Augusto Vagos (MPF/2ª Região) e Leandro Mitidieri e Renata Ribeiro Baptista (MPF/RJ), autores da petição e que também pediram o afastamento dos deputados de seus cargos.

Segundo a investigação, o esquema atribuído ao ex-governador Sérgio Cabral (MDB) pagava propina a vários deputados estaduais, para que patrocinassem interesses do grupo na Assembleia. De acordo com a apuração, o ‘mensalinho’ era resultado de sobrepreço de contratos estaduais e federais – alguns ligados ao Detran-RJ.

“De forma ilícita, os parlamentares eram beneficiados ainda com o loteamento de cargos em diversos órgãos públicos do Estado, onde poderiam alocar mão de obra comissionada ou terceirizada”, afirma nota da PF.

Os investigados devem responder, na medida de suas participações, pelos crimes de organização criminosa, corrupção ativa, passiva e lavagem de dinheiro.

O nome Furna da Onça faz referência a uma sala ao lado do plenário da Alerj, onde deputados se reúnem para ter conversas reservadas, destinada às combinações secretas que resultam em decisões individuais antes das votações, momento conhecido como a hora da “onça beber água”.

A reportagem está tentando contato com os citados. O espaço está aberto manifestação.

“Mensalinhos” e “prêmios” pagos na Alerj, segundo o Ministério Público Federal

  • André Correa (DEM): R$ 100 mil/mês
  • Edson Albertassi (MDB): R$ 80 mil/mês + R$ 1 milhão
  • Chiquinho da Mangueira (PSC): mais de R$ 3 milhões
  • Coronel Jairo (SD): R$ 50 mil/mês + prêmio
  • Jorge Picciani (MDB): R$ 400 mil/mês + prêmio
  • Luiz Martins (PDT): R$ 80 mil/mês + R$ 1,2 milhão
  • Marcelo Simão (PP): R$ 20 mil/mês
  • Marcos Abrahão (Avante): R$ 80 mil/mês + R$ 1,5 milhão
  • Marcus Vinicius “Neskau” (PTB): R$ 50 mil/mês
  • Paulo Melo (MDB): R$ 900 mil/mês + prêmio

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui