O ‘apagão de dados’ nos anos Kirchner que abalou a credibilidade da Argentina no mundo

Um “pesadelo” para a credibilidade do país. É assim que autoridades do setor de estatísticas da Argentina se lembram do período em que o governo de Cristina Kirchner maquiou números para cumprir sua obstinação em manter a inflação anual em até 10% ao ano.

“Não adianta querer ocultar ou manipular nada, incluindo números. Todo mundo acaba sabendo a verdade. E foi o que aconteceu. Foi um péssimo período para o país”, recorda um ex-diretor do Instituto Nacional de Estatísticas e Censos (Indec, equivalente ao IBGE).

Durante nove anos, entre 2007 e 2016, os argentinos conviveram com a falta de credibilidade nos dados oficiais de inflação e de pobreza no país.

O apagão dos índices básicos das áreas econômica e social tinha começado em janeiro de 2007, quando técnicos do Indec renunciaram denunciando “intervenção política” na formulação dos números.

“Nós mandávamos relatórios semanais para a Presidência com o índice de inflação, antes do fechamento mensal do dado. Em janeiro de 2007, a inflação caminhava para ser mais alta que nos meses anteriores. Foi aí que começaram a nos pressionar com telefonemas insistentes para mudarmos o número oficial”, recorda um ex-diretor, que falou sob a condição do anonimato. Ele diz que desde então “desistiu” de trabalhar em organismos públicos.