Número de armas registradas por dia em sistema da PF aumenta 8 vezes em 2 anos

Diariamente, desde 2019, 378 armas, em média, são registradas no Brasil para o uso de civis no Sistema Nacional de Armas (Sinarm), da Polícia Federal.

Esse número é oito vezes mais do que foi registrado, em média, em 2018, quando cerca de 46 armas foram registradas a cada dia.

Os dados foram obtidos em um levantamento feito pelo Instituto Igarapé ao qual o G1 teve acesso.

As portarias editadas pelo governo do presidente Jair Bolsonaro criaram um ambiente fértil para a proliferação de registros legais de armas de fogo.

Para Melina Risso, diretora de programas do Igarapé, a situação representa um “retrocesso”.

“O salto nas armas registradas não tem precedente. Os efeitos negativos dessa política de insegurança serão sentidos por muito tempo.”

 

número de novos registros de armas de fogo no Brasil aumentou 90% em 2020 em comparação com o ano anterior — e foi o maior número da série histórica do sistema da Polícia Federal.

Esses números registram apenas as armas de fogo que vão ficar nas mãos de civis.

O Sistema Nacional de Armas só inclui armas registradas em nomes de civis, entre eles cidadãos comuns, policiais federais e policiais civis.

As armas utilizadas pelas forças militares de segurança — Exército, Marinha, Aeronáutica, PMs e Bombeiros — são de responsabilidade do Exército, que também concede direito de usar armas para colecionadores, atiradores e caçadores.

Desde janeiro de 2020, o governo federal editou atos normativos para facilitar o acesso às armas de fogo. O governo aumentou de dois para quatro o limite de armas que cada pessoa pode ter e permitiu também a compra de muito mais munição.

  • Registro médio diário de armas no Sinarm
  • 2017 – 43
  • 2018 – 46
  • 2019 a fevereiro de 2021 – 378

 

“As instituições precisam agir com a máxima urgência para frear os retrocessos”, afirma Melina Risso.