MP diz que outro advogado de Flávio Bolsonaro manipulou provas e orientou testemunhas a faltar depoimentos

No pedido de prisão do ex-assessor Fabrício Queiroz e da mulher dele Márcia Oliveira de Aguiar, o Ministério Público do Rio de Janeiro revelou a atuação de um outro advogado do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ).

De acordo com o MP, Luiz Gustavo Botto Maia praticou crime de obstrução de Justiça. A investigação apurou que além de manipular provas, Botto teria orientado testemunhas para que faltassem aos depoimentos marcados pelo MP, como mostrou o Jornal Nacional neste sábado (20).

Gustavo Botto é advogado de causas eleitorais e atuou no registro da candidatura de Flávio Bolsonaro ao Senado, e no processo em que o senador se desfiliou do PSL.

  • Entenda o caso Fabrício Queiroz

No entanto, as investigações relatam a atuação de Botto em momentos cruciais do esquema das rachadinhas, o que leva os promotores a dizerem que o advogado extrapolou todos os limites do exercício da advocacia e passou a atuar de forma criminosa.

Encontro Adriano da Nóbrega

O Ministério Público diz que ele foi um dos articuladores do encontro clandestino entre as famílias de Fabrício Queiroz e do miliciano Adriano da Nóbrega, morto no interior da Bahia em fevereiro deste ano.

Uma foto mostra Botto ao lado da mãe do ex-policial do Bope, Raimunda Veras Magalhães, e de Márcia Aguiar, mulher de Fabrício Queiroz. Segundo a investigação, o objetivo do encontro era mandar um recado para Adriano que estava foragido. O fato aconteceu dois meses antes dele ser morto.

Ainda segundo o MP, Botto teria atuado também na ocultação de provas do esquema de rachadinhas na Assembleia Legislativa do Rio ( Alerj).

Depois das primeiras denúncias de que funcionários fantasmas devolviam parte dos salários ao gabinete de Flávio Bolsonaro, os promotores dizem que Gustavo Botto orientou uma das assessoras em uma fraude.

O Jornal Nacional exibiu uma mensagem, obtida pelo MP em um celular apreendido. Nela, Botto orienta a funcionária Luisa Paes a assinar, em 2019, livros de ponto de 2017.

Advogado: Boa tarde, Luiza

Advogado: Tudo bem?

Advogado: Deixa só eu te falar.

Avogado: Esse print aí que eu te mandei é de um cara que tá tentando falar contigo lá da ALERJ.

Advogado: Esse é, pô, tranquilo.

Advogado: Parece que tem alguma coisa tua lá que tu tem que assinar, alguma coisa lá da ALERJ que tá com uma pendência lá de 2017, que eles estão vendo agora e pediram seu telefone.

Advogado: Eu acabei, dei agora há pouco e acabei esquecendo de te avisa

O pai da funcionária fica receoso e ainda confirma a orientação do advogado com Fabrício Queiroz.

Pai: A luiza tem que ir lá na alerj assinar uns pontos, é seguro?

Botto: muito seguro

Em outra mensagem, o pai da assessora comenta com ela a conduta do advogado.

Pai: isso deve ter sido orientação daquele maluco lá, né? Que nós encontramos com ele lá. Porque aquilo é maluco de pedra.

Folha de pagamento e busca e apreensão