Moraes dá cinco dias para que Ministério da Justiça informe sobre extradição de Allan dos Santos

BRASÍLIA — O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), cobrou informações do Ministério da Justiça a respeito do processo de extradição do blogueiro bolsonarista Allan dos Santos e deu cinco dias para que a pasta preste informações sobre o procedimento.

Em outubro, Moraes determinou a prisão preventiva do blogueiro além de ordenar, ao Ministério da Justiça, início imediato do processo de extradição. Até agora, no entanto, o processo não foi concluído.”Oficie-se ao Secretário Nacional de Justiça para que, no prazo de 5 (cinco) dias, informe acerca do andamento do pedido de extradição de ALLAN LOPES DOS SANTOS, investigado nestes autos, incluídas informações acerca das medidas adotadas no âmbito do Ministério da Justiça para a sua efetivação junto ao Governo dos Estados Unidos. Publique-se. Brasília, 11 de março de 2022″, diz o documento, que veio a público nesta segunda-feira.

A Secretaria Nacional de Justiça é comandada atualmente por José Vicente Santini, amigo dos filhos do presidente Jair Bolsonaro (PL). Em novembro de 2021, a Polícia Federal chegou a comunicar o Supremo que apurava uma suposta tentativa de interferência de Santini no processo de extradição do blogueiro.

Em depoimentos prestados à PF, três funcionários do Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Internacional (DRCI) relataram pressões da cúpula do Ministério da Justiça durante o processo de extradição.

Allan dos Santos, dono do canal Terça Livre, é alvo de dois inquéritos no Supremo que investigam esquema de divulgação de informações falsas. Um dos inquéritos apura ameaças a ministros do tribunal e disseminação de conteúdo falso na internet, as chamadas fake news. O outro investiga o financiamento de atos antidemocráticos.

bolsonarista teria deixado o Brasil e entrado nos Estados Unidos em julho de 2020. A Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol), porém, não atendeu aos pedidos de autoridades brasileiras para incluir Allan e outros bolsonaristas investigados pelo STF na lista internacional de procurados.

Em uma entrevista concedida em outubro à rádio Jovem Pan, o ministro da Justiça, Anderson Torres, afirmou que faria uma análise “de forma técnica” da ordem de extradição do blogueiro.

Decisão de outubro

No despacho que determinou a prisão de Allan dos Santos, em outubro, Moraes afirmou que, segundo a PF, as investigações indicam a habitualidade de Allan dos Santos em praticar crimes que, “pelo modo de agir descrito, pela frequência de execução e repetição dos argumentos incidiriam em tipos penais caracterizados como ameaça, crimes contra a honra e incitação à prática de crimes, bem como o tipo penal decorrente de integrar organização criminosa, convergente com o contexto da apuração já em curso neste inquérito”.

FonteO Globo/ Mariana Muniz