Máscaras que seriam distribuídas atrasam e prefeito adia uso obrigatório em Campo Grande

O atraso na entrega de 1,3 milhão de máscaras de proteção encomendadas pela Prefeitura de Campo Grande fará com que o decreto municipal que estipulou a obrigatoriedade no uso dos equipamentos por campo-grandenses seja reeditado.

A informação foi confirmada pelo prefeito Marquinhos Trad (PSD). Segundo ele, a alteração do decreto será publicada ainda na manhã desta sexta-feira (17), transformando a obrigatoriedade em recomendação, até que as máscaras encomendadas cheguem à cidade.

“Quando editamos o decreto, imaginávamos que essas máscaras que encomendamos chegariam antes do dia 20, e faríamos a distribuição às famílias que não podem comprá-las. Porém, vamos transformar temporariamente a obrigatoriedade em recomendação, até que elas sejam entregues e distribuídas”, explicou.

Obrigatoriedade

O uso obrigatório de máscaras foi anunciado em uma transmissão ao vivo realizada na quinta-feira (16). A informação é que o uso desses equipamentos, de pano ou descartáveis, seria obrigatório a partir da próxima segunda-feira (20) em locais públicos e em prédios privados sem ventilação adequada.

Os motoristas, usuários do transporte coletivo e pessoas que andem em veículos de uso por aplicativo também estão obrigadas a fazer o uso delas. Caso a pessoa esteja andando sozinha de carro, é recomendado o uso, mas não obrigatório.

Mesmo artesanais, o uso das máscaras diminui a chance de contágio pelo novo coronavírus, segundo reforçaram especialistas, e passou a ser recomendada até pelo Ministério da Saúde, o que causou até uma demanda pela compra dos equipamentos caseiros e aqueceu o setor têxtil, inclusive na Capital.