Kemp repudiou comemorações aos 55 anos do golpe que deu início a ditadura militar

A recomendação do presidente Jair Bolsonaro (PSL) para que o Ministério da Defesa realize comemorações alusivas aos 55 anos do golpe de Estado de 1964 foi repudiada pelo deputado estadual Pedro Kemp (PT). Na tribuna, durante a sessão ordinária desta quinta-feira (28), ele ressaltou que a data deve sim ser lembrada, mas não festejada.

“Não devemos esquecer jamais do dia 31 de março de 1964, para que a ordem democrática não seja desrespeitada e rompida. Ditadura no Brasil nunca mais. E que se reine a democracia”, disse Kemp, que iniciou seu discurso lendo uma manifestação da jornalista Rose Nogueira, militante presa pela ditadura e torturada nos porões da Deops.

“Qual é o sentimento de um presidente da República ao pedir para os militares festejarem uma triste data da história do Brasil? Ela deve ser sim lembrada e repudiada pelos crimes cometidos contra a humanidade”, indagou.

Em aparte, o deputado Barbosinha (DEM) falou que é uma infelicidade comemorar um período tão sofrido do País e que carrega marcas eternas. “O Brasil viveu momentos extremos: mortes, perseguições, cassação de direitos, desaparecimento de pessoas, censura. É um desrespeito com os brasileiros celebrar 31 de março de 1964”.

Kemp terminou sua fala com uma Nota Pública da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, órgão ligado ao Ministério Público Federal (MPF), que se posicionou radicalmente contra o tema. Leia aqui o documento na íntegra.