Julian Assange, fundador do WikiLeaks, é preso em Londres

Assange estava refugiado na embaixada equatoriana desde 2012 para evitar sua extradição para a Suécia, que solicitou sua prisão por supostos crimes sexuais

Julian Assange: fundador do WikiLeaks foi preso na manhã desta quinta-feira em Londres (Henry Nicholls/Reuters)

O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, foi preso pela polícia britânica nesta quinta-feira, 11, depois que os agentes foram convidados a entrar na embaixada do Equador em Londres, onde o australiano estava abrigado desde 2012. A sua extradição já foi pedida pelos Estados Unidos

Assange estava refugiado no local para evitar sua extradição para a Suécia, que solicitou sua prisão por supostos crimes sexuais. Nesta manhã, o presidente equatoriano Lenin Moreno, anunciou que o asilo havia sido suspenso. Veja o momento da sua prisão:

Publicidade

O perfil oficial do WikiLeaks no Twitter afirmou que o embaixador equatoriano “convidou” a polícia britânica para entrar na embaixada e Assange foi preso imediatamente.

“Julian Assange, 47, foi hoje, quinta-feira, 11 de abril, preso por policiais do Serviço de Polícia Metropolitana na Embaixada do Equador”, informou a polícia, “ele foi levado sob custódia para uma delegacia central de Londres e será levado perante o Tribunal de Magistrados de Westminster”.

O relacionamento de Assange com o Equador entrou em colapso depois que Quito o acusou de vazar informações sobre a vida pessoal do presidente Lenín Moreno, o que gerou acusações de que ele teria violado os termos de seu asilo.

Moreno afirmou que pediu ao Reino Unido que garantisse que o fundador do WikiLeaks não seria extraditado para um país onde possa enfrentar tortura ou a pena de morte. “O governo britânico confirmou isso por escrito, de acordo com suas próprias regras”, disse Moreno.

O WikiLeaks acusa o Equador de ter encerrado o asilo político de maneira ilegal, em violação do direito internacional.

Julian Assange

Para alguns, Assange é um herói por expor o que apoiadores afirmam ser abuso de poder pelos Estados modernos e por defender a liberdade de expressão. Para outros, ele é um rebelde perigoso que minou a segurança dos Estados Unidos.

Ele se refugiou na embaixada do Equador em Londres em 2012 para evitar ser extraditado para a Suécia, onde autoridades queriam interrogá-lo como parte de uma investigação sobre agressão sexual.

A investigação posteriormente foi descartada, mas Assange agora teme a extradição para os Estados Unidos, onde promotores federais estão investigando o WikiLeaks.

Principais momentos da vida e prisão de Assange

  • 3 de julho de 1971: Assange nasce em Townsville (Austrália).
  • Anos 1990: torna-se programador e desenvolvedor de software livre, descobrindo seu talento como hacker.
  • 2006: cria o WikiLeaks, site especializado na revelação de documentos secretos, com, segundo ele, “uma dúzia de pessoas provenientes do campo dos direitos humanos, da mídia e da alta tecnologia”.
  • 2010: a partir de julho, o WikiLeaks publica segredos militares e documentos diplomáticos americanos. Assange se torna um pária nos Estados Unidos. Em novembro, a Suécia lança um mandado de prisão europeu ligado a uma investigação por suspeita de estupro e abuso sexual de duas suecas. Ele nega os fatos.
  • 2012: para escapar de uma extradição da Grã-Bretanha, ele encontra refúgio na embaixada do Equador em Londres.
  • 2016: O WikiLeaks publica 20.000 e-mails hackeados do Partido Democrata, alguns dos quais são prejudiciais à campanha de Hillary Clinton.
  • 19 de maio de 2017: a Justiça sueca arquiva o caso do suposto estupro.
  • 12 de dezembro de 2017: Assange recebe nacionalidade equatoriana.
  • Outubro de 2018: Quito, com quem as relações ficaram tensas, impõe a ele regras em particular sobre suas visitas e comunicações, cujo descumprimento implicaria a retirada do asilo. Em 2 de abril de 2019, o chefe de Estado equatoriano afirma que Assange “cometeu várias violações” ao acordo.
  • 11 de abril de 2019: Assange é preso na embaixada pela polícia britânica, depois de o Equador ter retirado o asilo diplomático e sua nacionalidade equatoriana.