Jeff Bezos deixará cargo de CEO da Amazon, diz empresa

A Amazon anunciou nesta terça-feira (2) que seu fundador e CEO, Jeff Bezos, deixará o cargo até o terceiro trimestre de 2021. O novo líder executivo da companhia será Andy Jassy, que atualmente comanda a Amazon Web Services (AWS), o importante braço de serviços de armazenamento e processamento de dados da empresa.

bilionário continuará na Amazon, mas ocupará o cargo de presidente-executivo do conselho. Bezos disse que, assim, terá mais tempo e energia para focar no jornal “Washington Post”, do qual também é dono desde 2013, na Blue Origin, sua empresa aeroespacial, e em suas entidades filantrópicas Day One Fund e Earth Fund.

O mais rico do mundo

 

A mudança ocorre 27 anos após Bezos começar a Amazon, em 1994, ainda como uma loja online de livros chamada de “Cadabra”.

Nascido em 12 de janeiro de 1964 em Albuquerque, no Novo México, o americano tem hoje 57 anos. É formado em engenharia elétrica e ciências da computação pela Universidade de Princeton. Começou a carreira em Wall Street, que deixou para fundar a Amazon.

Bezos e o milionésimo cliente da Amazon — Foto: Divulgaçõ/Amazon

Bezos e o milionésimo cliente da Amazon — Foto: Divulgaçõ/Amazon

De lá para cá, o empresário acumulou uma fortura hoje avaliada em US$ 196,4 bilhões. Bezos foi considerado nos 3 últimos anos a pessoa mais rica do mundo pela Forbes.

Em fevereiro de 2020, ele direcionou US$ 10 bilhões para o fundo Earth Fund, para apoiar projetos que lutam contra a mudança climática. Em agosto, com a alta nas vendas da Amazon durante a pandemia, Bezos chegou a ser a primeira pessoa a alcançar US$ 200 bilhões, cerca de R$ 1 trilhão, ainda de acordo com a Forbes.

No ranking da Bloomberg, o atual CEO da Amazon perdeu o posto de mais rico do planeta para Elon Musk, da Tesla, em meados de janeiro último.

História com a Amazon

 

Jeff Bezos fundou a Amazon em 1994, inicialmente vendendo livros on-line. A companhia se tornou uma gigante do varejo ao redor do mundo, comercializando itens de diversos segmentos.

Em setembro de 2018, a empresa foi avaliada em mais de US$ 1 trilhão pela primeira vez. Atualmente, a companhia vale US$ 1,69 trilhão.

Página de entrada da Amazon nos primórdios da loja online de livros — Foto: Divulgação/Amazon

Página de entrada da Amazon nos primórdios da loja online de livros — Foto: Divulgação/Amazon

Quem é o sucessor

 

Jassy entrou na Amazon em 1997 e lidera o serviço de nuvem AWS desde sua concepção, em 2003. Ele se tornou CEO dessa divisão em 2016. O segmento de hospedagem é o mais lucrativo da companhia.

Andy Jassy, CEO Amazon Web Services, será o sucessor de Jeff Bezos no comando de toda a Amazon — Foto: Mike Blake/Reuters

Andy Jassy, CEO Amazon Web Services, será o sucessor de Jeff Bezos no comando de toda a Amazon — Foto: Mike Blake/Reuters

Amazon sob pressão

 

A transição de comando na Amazon acontece após fortes resultados em 2020, mas também em meio a pressões regulatórias sobre as grandes empresas de tecnologia. Em outubro passado, uma Comissão do Congresso dos EUA apontou que a companhia se vale de práticas anticompetitivas.

Por acusações parecidas já foram abertos processos de estados contra o Google e o Facebook.

Um relatório da comissão federal contou que a empresa, entre outras coisas, utilizaria a sua plataforma de comércio eletrônico para identificar os itens mais vendidos e criar cópias para vendê-los com a sua própria marca, geralmente a preços menores.

Jeff Bezos, CEO da Amazon, em passagem por Bangalore, na Índia, em 2014 — Foto: Abhishek N. Chinnappa/Reuters/Arquivo

Jeff Bezos, CEO da Amazon, em passagem por Bangalore, na Índia, em 2014 — Foto: Abhishek N. Chinnappa/Reuters/Arquivo

A União Europeia também acusa a Amazon de usar dados para obter vantagem indevida sobre comerciantes que usam a plataforma. Reguladores do bloco entraram com ações antitruste contra a gigante americana.

Polêmicas

 

Bezos esteve envolvido em diversas polêmicas com o ex-presidente dos EUA, Donald Trump, do qual é um crítico. A mais recente,, no início do ano, envolveu o serviço de hospedagem da Amazon, AWS, que decidiu tirar do ar a rede social Parler, utilizada por apoiadores de Trump.

  • Relembre Trump x Bezos

 

O movimento aconteceu após o republicano ser bloqueado por outras redes por posts durante a brutal invasão do Congresso americano por seus simpatizantes.

 Bezos, fundador da Amazon, e Trump trocaram acusações durante o mandato do republicano — Foto: France Presse

Bezos, fundador da Amazon, e Trump trocaram acusações durante o mandato do republicano — Foto: France Presse

A AWS alegou que o Parler violou seus os termos de serviço ao falhar em lidar, de forma eficaz, com um aumento constante de conteúdo violento publicado na plataforma. Google e Apple também retiraram o app de suas lojas.

O Parler entrou com um processo contra a AWS, pedindo a restauração da hospedagem, mas a Justiça dos EUA negou o pedido.

Os atritos de Bezos com Trump também aconteceram por causa de negócios. Em 2019, depois que a Microsoft ganhou uma licitação de US$ 10 bilhões para fornecer serviço de computação em nuvem para o Departamento de Defesa dos EUA, a Amazon acusou Trump de fazer “pressão imprópria” contra a AWS, que também concorria ao contrato.

Antes disso, Trump já tinha acusado o “Washington Post”, que pertence a Bezos, de espalhar notícias falsas e agir como lobista da gigante de tecnologia.

Divórcio bilionário e celular hackeado

 

Bezos também rendeu manchetes fora das páginas de negócios por conta de seu divórcio bilionário, concluído em 2019. Ele e MacKenzie Scott fizeram um acordo que girou em torno de US$ 38 bilhões.

Jeff Bezos e MacKenzie Scott — Foto: Danny Moloshok/Foto de arquivo/Reuters

Jeff Bezos e MacKenzie Scott — Foto: Danny Moloshok/Foto de arquivo/Reuters

O casal tem quatro filhos. Eles se conheceram quando os dois trabalhavam na empresa de investimentos D.E Shaw, de Nova York, muito antes de Bezos fundar a Amazon.

A agora ex-esposa foi uma das primeiras funcionárias da companhia e, em 2014, fundou a plataforma contra assédios ByStander Revolution.

Dias depois do anúncio do divórcio, o tabloide “National Enquirer” publicou notícias de um suposto caso extraconjugal de Bezos. O empresário acusou o jornal de usar fotos íntimas para chantegeá-lo e que a ação teve motivos políticos.

Um ano depois, foi levantada a suspeita de que essas imagens tenham sido roubadas de Bezos após ele ter seu celular hackeado em 2018. Segundo análise técnica encomendada pelo bilionário e publicada pelo jornal “The Guardian”, isso aconteceu após Bezos receber uma mensagem no WhatsApp de Mohammed bin Salman, príncipe e herdeiro do trono da Arábia Saudita.

Mohammed bin Salman, príncipe herdeiro da Arábia Saudita — Foto: Mandel Ngan/Pool via Reuters

Mohammed bin Salman, príncipe herdeiro da Arábia Saudita — Foto: Mandel Ngan/Pool via Reuters

O vídeo compartilhado teria um programa espião que roubou 4GB de dados do celular do empresário. A coroa saudita negou qualquer envolvimento no caso.

Na época, observadores da Organização das Nações Unidas que investigaram o caso consideraram que o intuito de Mohammed bin Salman teria sido o de influenciar, senão silenciar, o “Washington Post”, de Bezos, cujo jornalista e articulista Jamal Kashoggi — famoso crítico ao governo saudita — foi brutalmente assassinado em um consulado da Arábia Saudita na Turquia, em outubro de 2018.

Bezos em apresentação em Tóquio, em 2000 — Foto:  Kazuhiro Nogi/AFP/Arquivo

Bezos em apresentação em Tóquio, em 2000 — Foto: Kazuhiro Nogi/AFP/Arquivo