Jair Renan Bolsonaro depõe na PF, ¨Tráfego de Influência¨

Ao lado de Frederick Wassef, advogado da família Bolsonaro, o filho ’04’ do presidente Jair Bolsonaro (PL), Jair Renan, negou as acusações de recebimento de propina e também disse que não faz parte do governo de seu pai. Jair Renan prestou depoimento na PF (Polícia Federal) hoje à tarde, após ser intimado devido a suposto tráfico de influências e lavagem de dinheiro. “Eu me sinto revoltado com tudo isso que tá acontecendo.

Nunca recebi nenhum cargo, nenhum dinheiro, nunca fiz lavagem de dinheiro, e estão tentando me incriminar numa coisa que não fiz”, afirmou Jair Renan, em entrevista ao SBT.

“Não marquei nenhuma reunião com o governo. Nunca pedi nada ao governo, não faço parte do governo federal.”

O filho do presidente também reagiu, ao ser questionado sobre estar presente em uma reunião no Ministério do Desenvolvimento Regional. Na entrevista, a repórter do SBT perguntou: “Por que que você marcou a reunião no Ministério do Desenvolvimento Regional?”. Ele respondeu: “Eu não marquei nenhuma reunião com o governo”.

A jornalista insistiu: “Há registros, fotos, de que o senhor participou dessa reunião”, questionando-o sobre o motivo pelo qual frequentou a reunião. “Nunca pedi para ir na reunião, nem nada, eu fui convidado. Só me convidaram, eu fui porque conhecia o pessoal lá. Entrei mudo e saí calado!”, replicou Jair Renan.

Entenda o caso De acordo com a investigação, que tramita na Superintendência da Polícia Federal no Distrito Federal, Jair Renan teve ação em recebimento de propina de empresários interessados em negócios da Administração Pública.

O empresário Allan Gustavo Lucena é, segundo investigação da PF, muito próximo do quarto filho do presidente. Ele é investigado no inquérito das milícias digitais aberto em julho pelo STF (Supremo Tribunal Federal). Desde então, a Polícia Federal passou a investigar a relação de Lucena com Jair Renan.

O Setor de Inteligência Policial da PF no Distrito Federal registrou que diligências em andamento no inquérito que mira Jair Renan indicam a indicam a ‘associação estável’ entre o filho 04 de Bolsonaro e outros investigados “no recebimento de vantagens de empresários com interesses, vínculos e contratos com a Administração Pública Federal e Distrital sem aparente contraprestação justificável dos atos de graciosidade.

FonteUOL