INICIATIVAS DESENVOLVIDAS NA ÁREA DA SAÚDE EM CAMPO GRANDE DEVEM SER LEVADAS COMO MODELO PARA TODO O PAÍS

Nesta sexta-feira (16), o ministro da Saúde Marcelo Queiroga esteve em Campo Grande para conhecer  projetos inovadores desenvolvimentos na área da saúde que projetam a Capital Sul-mato-grossense como referência para todo o país. Durante a passagem pela Capital, o ministro enalteceu os avanços  obtidos na saúde pública do Município, sobretudo no fortalecimento da Atenção Primária, o bom desempenho na vacinação e o pionerismo no tratamento pós-covid.

A primeira agenda do ministro foi na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (ALEMS) onde esteve reunido com os secretários municipais de saúde do Estado e em seguida participou de ato realizado no Parque Ayrton Senna, com a presença de autoridades e residentes dos programas de residência médica e multiprofissional em saúde da família , implementadas através do Laboratório de Inovação na Atenção Primária à Saúde (INOVAAPS).

Antes de dar início à solenidade, o ministro realizou a vacinação de um auxiliar de serviços gerais de 35 anos que estava aguardando para tomar a primeira dose. No local funciona um ponto de vacinação em sistema drive-thru. Por medida de segurança, todos os presentes precisaram apresentar o comprovante de vacinação contra a Covid-19 para ter acesso ao Parque Ayrton Senna.

Na abertura, Queiroga anunciou investimentos para a saúde bucal do Município. Foram assinados termos de compromisso para estruturação do Centro de Especialidades Odontológicas (CEO) Nova Bahia e credenciamento de 68 novas equipes de saúde da família.

Os CEOs classificados como clínica especializada/ambulatório de especialidade são a referência para continuidade do cuidado à Saúde Bucal oferecido pelas equipes de Atenção Primária do Município. Atualmente a Capital conta com cinco unidades neste formato.

O primeiro projeto apresentado ao ministro foi o INOVAAPS, que teve início de forma pioneira em Campo Grande em 2019, através da parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e o Ministério da Saúde. A experiência foi evidenciada como modelo de boas práticas em artigo publicado na edição de junho da revista Ciência & Saúde Coletiva, referência em saúde pública e coletiva.

Por meio do INOVAAPS, foi possível impulsionar a criação de dois tipos de residência na cidade: Medicina de Família e Comunidade e Residência Multiprofissional. Os processos lançados no ano passado atraíram profissionais de diversos estados do país.

“Entendemos a necessidade de se formar profissionais capacitados para atender as mais diversas necessidades e a residência em saúde da família cumpre esse papel. A saúde começa na ponta, na atenção primária, por isso esta tem sido uma das prioridades do Ministério da Saúde. A formação é fundamental para que a gente possa fazer a diferença e criar um cenário mais favorável à saúde pública brasileira. Notamos que Campo Grande tem se destacado neste quesito”, comentou o ministro.

O secretário municipal de Saúde, José Mauro Filho, destaca que com estes profissionais incluídos na atenção primária a prestação de serviços na área é fortalecida, sendo um dos maiores legados da gestão.

“Estes profissionais serão o futuro da atenção básica do nosso Município. Eles serão peças importantes  na melhoria das ações promoção da saúde, como prevenção de agravos, cura e reabilitação dos indivíduos, cuidado em torno das necessidades individuais considerando os contextos de cada paciente, de familiares e da comunidade. Eles são formados para ter um entendimento mais amplo em relação às necessidades básicas dos pacientes”, complementa.

Além do ensino e especialização dos profissionais, há estudos que mostram que a integração dos residentes ao atendimento da população aumenta a satisfação entre os cidadãos que utilizam a rede pública, há um custo-benefício maior para o governo – uma vez que passa a se dar mais atenção a agravos que poderiam evoluir para urgências e emergências – e oferece atenção à saúde de quem mais precisa.

O avanço conquistado na atenção primária fez com que Campo Grande saltasse da última para a oitava posição entre as capitais com melhor cobertura de estratégia de saúde da família do país.

Antes do INOVAAPS, o Município contava com 147 equipes de saúde da família (ESF) e 143 de saúde bucal (SB). Com a implementação do laboratório, foram criadas 32 novas equipes, sendo 19 de saúde da família (ESF) e 13 de saúde bucal (SB). Com isso, a Capital passou a contar com 166 equipes (ESF) e 157 equipes (SB).

Outro ponto que também teve um resultado positivo, são os Núcleos de Ampliados de Saúde da Família (NASF), que hoje têm uma cobertura de 87,57%, atuando em 46 unidades de saúde da Capital.

Além dos avanços na atenção primária,  o pioneirismo no acolhimento aos pacientes após o contágio do coronavírus e a agilidade no processo da vacinação da Covid-19, que já imunizou quase metade dos habitantes, vacinando 44,77% da população, também foram evidenciados.

A vice-prefeita, Adriane Lopes, destaca a notoriedade das iniciativas desenvolvidas em Campo Grande, que resultam na melhoria significativa da qualidade da assistência prestada à população.

“Nós saímos de 35% da cobertura de saúde da família, em 2017, e atingimos mais que o dobro chegando a 75% de cobertura. E isso graças ao desenvolvimento destas iniciativas e adesão destes novos profissionais que estão sendo formados. Certamente isso se refletiu no atendimento na melhora do atendimento da população.  Campo Grande  lidera o ranking como Capital com maior número da população vacina e temos orgulho de dizer que também somos pioneiros no atendimento de pacientes com sequelas provocadas pela doença, tendo hoje dois ambulatórios com atendimento 100% SUS. Nós tivemos momentos muito difíceis, de perdas. Mas certamente estas medidas fizeram toda a diferença.”, diz.

Monitora Saúde

Durante a solenidade foi feita a doação ao Ministério da Saúde da plataforma “Monitora Saúde”, a qual integra o sistema de identificação prévia desenvolvido pela Prefeitura de Campo Grande,  para que possa ser utilizada por outros municípios do país.  No “pacote” inclui o sistema de monitoramento dos pacientes, gestão de vacinação, controle de estoque de vacinas e carteira digital de vacinação.

Visita

Ainda pela manhã, o ministro Marcelo Queiroga visitou a unidade de saúde da família (USF) Moreninha, que é uma das nove unidades integrantes do projeto Inovaaps. Ele conheceu a estrutura da unidade e o fluxo e organização de trabalho desenvolvido pelos residentes e preceptores.

Pós-Covid

À tarde, o ministro visitou o  o primeiro ambulatório pós-covid 100% SUS do país, inaugurado no ano passado em parceria com a APAE. Até agora, o serviço já realizou mais de 15 mil atendimentos. Atualmente, 350 pessoas  estão em acompanhamento.

Pioneira neste tipo de serviço de reabilitação, a Prefeitura de Campo Grande também inaugurou uma Unidade Especializada em Reabilitação e Diagnóstico (UERD). Localizada na Vila Almeida, a UERD oferece uma avaliação global promovida por uma equipe multidisciplinar e, a partir de então, é traçado o programa de tratamento.

O pedido de encaminhamento deve ser feito na unidade básica de saúde mais próxima pelo profissional médico, via sistema de regulação (Sisreg), acompanhado de atestado de liberação para realização de atividade física.

Desde a inauguração, a Unidade Especializada em Reabilitação e Diagnóstico (UERD) já realizou 791 atendimentos. Todos os serviços que são feitos pela equipe multidisciplinar, composta por profissionais da área de fisioterapia, educação física, psicologia e nutrição, são realizados integramente pelo SUS.

A última agenda pública cumprida pelo ministro na Capital foi uma visita técnica ao Hospital Regional Rosa Pedrossian (HRMS), referência no atendimento de pacientes com Covid.