Imigrante morreu no deserto 4 meses antes de realizar o sonho de ser avó de uma menina: ‘Fazia muitos planos’, lamenta a filha

Lenilda dos Santos morreu aos 49 anos, quatro meses antes de realizar o sonho de ser avó de uma menina. O corpo da imigrante, que era de Rondônia, foi encontrado no deserto, onde tentava cruzar a fronteira do México com os Estados Unidos ilegalmente. Ela foi abandonada pelos amigos de infância com quem viajava.

Uma das filhas da técnica de enfermagem, Genifer Oliveira, contou ao G1 que está grávida de cinco meses. Em uma das últimas conversas que teve com a mãe revelou que ela ia ser avó de uma menina.

Em um áudio enviado à filha, Lenilda comemorou a novidade e, apesar de estar distante, prometia “enviar várias roupinhas bonitas” para a bebê .

“Ela queria tanto que fosse uma menina para encher ela de lacinhos, fazia muitos planos”, disse Genifer

“Um sofrimento que parece que não vai acabar nunca…”

 

Genifer contou que agora a família tenta trazer o corpo da mãe para Rondônia para um velório e sepultamento digno. No entanto, as despesas com a documentação e translado custam aproximadamente R$ 120 mil.

Além disso, todo o processo pode demorar até três meses para ser concluído e eles finalmente receberem o corpo de Lenilda. As duas filhas criaram uma vaquinha online para tentar arrecadar o dinheiro das despesas.

Sonhos frustrados

 

Lenilda já tinha morado nos EUA há 10 anos e decidiu voltar no início de 2021 após receber a informação de que a fronteira iria ficar aberta por 100 dias. Ela foi detida por três meses na imigração do país até ser deportada de volta para o Brasil.

No dia 13 de agosto, Lenilda voltou a tentar entrar nos EUA, dessa vez através de uma coiote — pessoa paga para conduzir imigrantes ilegalmente pelas fronteiras.