Hackers da Coreia do Norte tentam roubar informação da Pfizer, acusa deputado sul-coreano

A agência de inteligência da Coreia do Sul disse que a Coreia do Norte tentou roubar informações sobre as vacinas contra o coronavírus após hackear a farmacêutica Pfizer, que produz um dos imunizantes em uso contra a Covid-19. A informação foi confirmada nesta terça-feira (16) pelo deputado sul-coreano Ha Tae-keung.

Casos de espionagem digital contra órgãos de saúde, cientistas que pesquisam vacinas e farmacêuticas aumentaram muito nesta pandemia de Covid-19, com grupos apoiados por governos tentando encontrar brechas para obter irregularmente informação sobre a pandemia.

De acordo com o parlamentar, que integra um conselho de inteligência da Coreia do Sul, a Pfizer está entre as empresas hackeadas.

“Houve tentativas de roubar a tecnologia para vacinas e tratamentos contra a Covid por meio de ataques cibernéticos”, afirmou Ha.

Os escritórios da Pfizer na Ásia e na Coreia do Sul não comentaram o caso. O gabinete do deputado confirmou as declarações, mas não disse quando ocorreu a invasão nem se houve sucesso na tentativa dos hackers.

‘Exército de hackers’

 

Com máscaras, norte-coreanos visitam museu em Pyongyang para comemorar o 67º aniversário do fim da Guerra da Coreia, celebrado no país como o Dia da Vitória na Guerra de Libertação da Pátria — Foto: Jon Chol Jin/AP

Com máscaras, norte-coreanos visitam museu em Pyongyang para comemorar o 67º aniversário do fim da Guerra da Coreia, celebrado no país como o Dia da Vitória na Guerra de Libertação da Pátria — Foto: Jon Chol Jin/AP

No ano passado, o Serviço Nacional de Inteligência (NIS) da Coreia do Sul acusou hackers norte-coreanos de penetrar em sistemas de ao menos nove empresas da área de saúde, inclusive das desenvolvedoras de vacina Johnson & Johnson, Novavax e AstraZeneca.

A Coreia do Norte frequentemente recebe acusações de ter um “exército de hackers” usado para driblar as várias sanções internacionais impostas ao governo de Kim Jong-un e obter dinheiro. Segundo especialistas, os invasores norte-coreanos parecem estar mais interessados em vender os dados do que usá-los desenvolver uma vacina local.

A Coreia do Norte espera receber quase 2 milhões de doses da vacina de Oxford e do laboratório AstraZeneca até meados deste ano pelo consórcio COVAX. O país não tem registros de casos de coronavírus desde o início da pandemia, mas autoridades da Coreia do Sul dizem que pode ter havido, sim, um surto de Covid-19 no ano passado devido aos contatos próximos dos norte-coreanos com a vizinha China.