Gerson, jogador do Flamengo, será ouvido pela Polícia Civil nesta terça sobre caso de injúria racial

O jogador Gerson, do Flamengo, vai prestar depoimento na manhã desta terça-feira (22) na Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi), no Centro do Rio.

Nesta segunda-feira (21), a Polícia Civil do Rio instaurou inquérito para apurar a denúncia contra o jogador durante jogo com o Bahia, no domingo (20), pelo Campeonato Brasileiro, no Maracanã.

Em entrevista depois do jogo, Gerson acusou Ramírez, do time do Bahia, de dizer “Cala a boca, negro”, durante a partida.

Também nesta segunda, o Globo Esporte mostrou um vídeo com a sequência relatada por Gerson ao acusar Ramírez de racismo.

Depoimentos de Ramírez, Mano e juiz

 

A equipe da delegada Marcia Noeli, titular da Decredi, também vai ouvir outros envolvidos no episódio. O jogador Ramírez, autor da injúria relatada por Gerson, o técnico Mano Menezes e o juiz do jogo Flavio Rodrigues de Souza foram intimados pela polícia.

As datas e o local dos depoimentos ainda não foram informados.

A delegada informou ainda que pediu para a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) a súmula da partida.

“Injúria racial é crime e tem que ser punido. Importante as pessoas entenderem que não pode haver mais racismo”, disse a delegada.

A delegada destacou a importância de os casos de racismo serem registrados para que sirvam de alerta.

“Essa é uma questão cultural e que temos que falar o tempo inteiro para que as pessoas possam entender e não mais repetir. É importante que se fale, que venha à delegacia e que a gente criminalize isso”, afirmou.