Gelo no sangue e bola na estante! Marcos Braz avalia situação de Gabigol, futuro de Jesus e passa a limpo o Flamengo

As bolas na estante de casa ajudam a descrever o roteiro.

O toquinho maroto para “desarmar” o gandula peruano em meio à catarse que tomou conta do estádio Monumental de Lima no último sábado aumentou a coleção de relíquias de Marcos Braz no Flamengo. Figura central de uma temporada onde o futebol rubro-negro não só voltou a ser vencedor como fez história, o dirigente colocou a Libertadores num museu particular que já contava com estaduais, Copa do Brasil e Brasileirão.

Se os fracassos no futebol feriam um torcedor que sofreu para ver o clube se reestruturar, a volta do vice-presidente que foi campeão mesmo nas vacas magras surgia como solução dos problemas. Tiro certeiro de Rodolfo Landim.