Fluminense deixa de ganhar R$ 25 milhões na Copa do Brasil e não vai bater meta de premiações de 2022

A eliminação do Fluminense para o Corinthians na Copa do Brasil afeta não apenas na perspectiva esportiva, mas também os cofres do clube. Após a derrota por 3 a 0, nesta quinta, em Itaquera, a equipe deu adeus à competição e deixou de embolsar pelo menos R$ 25 milhões pagos ao vice-campeão do campeonato. Uma possível disputa da final era a única possibilidade de o clube bater a meta orçamentária prevista para premiações.

De acordo com o orçamento para 2022 apresentado pelo Fluminensea expectativa de arrecadação com premiações era de R$ 67,2 milhões, prevendo fase de grupos da Libertadores, oitavas de final da Copa Sul-Americana, quartas de final da Copa do Brasil e sexto lugar no Brasileirão. Até o momento, o Tricolor somou R$ 26,9 milhões em premiação – ainda falta o valor referente ao Campeonato Brasileiro, que tem seu prêmio mais alto R$ 33 milhões para o campeão.

Gol de Renato Augusto em Corinthians x Fluminense — Foto: Marcos Ribolli

Gol de Renato Augusto em Corinthians x Fluminense — Foto: Marcos Ribolli

São R$ 5,5 milhões da Pré-Libertadores, R$ 4,6 milhões da fase de grupos da Sul-Americana e R$ 16,8 milhões até a semifinal da Copa do Brasil (apesar de ter sido campeão carioca, não houve premiação no Estadual). Restando R$ 40,3 milhões (valor maior do que os R$ 33 milhões do prêmio de campeão brasileiro), o Fluminense só conseguiria alcançar a meta orçada se chegasse à final da Copa do Brasil, o que garantiria ao menos mais R$ 25 milhões em caso de um vice-campeonato.

Vale lembrar que a projeção orçamentária da temporada também previa, aproximadamente, R$ 100 milhões em vendas de jogadores. Mas o Fluminense obteve menos da metade desse valor com os 8 milhões de euros (R$ 44 milhões na cotação da época) da venda de Luiz Henrique para o Betis, da Espanha – os 5 milhões de euros (R$ 26 milhões) de bônus da negociação só poderão ser atingidos pelo atacante na Europa – e com os cerca de R$ 1 milhão da taxa de vitrine da saída de Nonato para o Ludogorets, da Bulgária.

FonteGE/ SP