EUA fazem alerta, a 2 meses das Olimpíadas, para cidadãos não viajarem ao Japão

O Departamento de Estado norte-americano reiterou, nesta segunda-feira, sua orientação para que cidadãos do país evitem fazer viagens ao Japão em razão do “altíssimo nível de transmissão” do novo coronavírus. O alerta vem a menos de dois meses do início das Olimpíadas de Tóquio, que começarão no dia 23 de julho.

Os Estados Unidos são a principal potência esportiva do megaevento. O USOPC (Comitê Olímpico e Paralímpico dos EUA), porém, afirmou que os atletas do país terão condições de competir em segurança nos Jogos.

– Estamos confiantes de que as práticas atuais de mitigação em vigor para atletas e funcionários do USOPC e do Comitê Organizador de Tóquio, juntamente com os testes antes da viagem, na chegada ao Japão e durante o tempo dos Jogos permitirão a participação segura da equipe americana neste verão – disse o USOPC, em nota.

O centro de prevenção de doenças dos Estados Unidos elevou o Japão ao quarto nível de alerta em relação à Covid-19, com uma taxa de incidência de 120 casos para cada 100 mil habitantes. A orientação do Departamento de Estado partiu dessa classificação.

– Devido à situação atual no Japão, mesmo os viajantes totalmente vacinados podem correr o risco de obter e espalhar variantes da Covid-19 e devem evitar todas as viagens ao Japão – disse o CDC, por meio de comunicado.

Hoje, dez de 47 prefeituras japonesas adotam o estado de emergência – com restrições pesadas. Muitos dos decretos em vigor vão expirar na próxima segunda-feira. Mas muitos locais já pedem que as restrições sejam estendidas porque o sistema de saúde está saturado.

O governo japonês e autoridades do país relativizaram a orientação do Departamento de Estado norte-americano.

– Viagens [dos Estados Unidos ao Japão] não são proibidas quando necessário. Eu sei que não há nenhuma mudança na posição dos EUA de que apoiará a decisão do governo japonês de realizar as Olimpíadas e Paraolimpíadas – disse o ministro das Relações Exteriores, Toshimitsu Motegi, a um comitê parlamentar.

A governadora de Tóquio, Yuriko Koike, afirmou que os japoneses terão que fazer “todos os esforços para tornar os Jogos seguros e protegidos”.

– Por enquanto, não esperamos nenhum impacto particular. Para dar a mais alta prioridade à proteção de um ambiente seguro e protegido, continuaremos nos esforçando para saber o status da infecção dentro e fora do Japão – disse a ministra olímpica Tamayo Marukawa.