12.8 C
Campo Grande
domingo, julho 14, 2024

Escolas da Reme recebem instrumentos novos para bandas de fanfarras

Escolas da Reme recebem instrumentos novos para bandas de fanfarras

A Prefeitura de Campo Grande investiu R$ 3,5 milhões em instrumentos novos para bandas de fanfarras de escolas municipais da Capital. São 100 kits no total compostos por 11 tipos de instrumentos: tuba, eufônio, trombone de marcha, trompetes, trompa de marcha, par de pratos, bumbo, caixa tenor de marcha, caixa tenor de marcha de aro duplo, tambor de fanfarra alfaia e estantes para partitura.

Os itens serão utilizados pelos mais de 600 alunos atendidos semanalmente através do Projeto da Divisão de Esporte Arte e Cultura (DEAC). A primeira entrega aconteceu nesta manhã, de 70 instrumentos musicais na Escola Municipal Dr. Eduardo Olímpio Machado, no Bairro Coophavila.

Na ocasião, a prefeita Adriane ressaltou a importância das bandas de fanfarras das escolas municipais, principalmente sendo elas um dos destaques no desfile do aniversário da cidade levando alegria para todo mundo. “É fundamental incentivar os alunos através da música, da musicalização, que é uma linguagem universal e a música não tem barreiras, a música muda a vida de uma criança. As bandas de fanfarras das escolas da Reme são tradições na Capital e não podem ser esquecidas. É um investimento importante para o resgate e incentivo da arte e cultura na Educação. ”

Conforme o secretário municipal de Educação, Lucas Bitencourt, de 6 mil alunos atendidos pelos projetos da Divisão de Esporte Arte e Cultura (DEAC), atualmente são 25 mil estudantes atendidos este ano, contando com as bandas de fanfarra.

Desde o dia 1º de setembro de 2006 à frente da Banda da Escola Municipal Dr. Eduardo Olímpio Machado, o maestro Wander Gomes da Silva, disse que chegou na unidade junto com os instrumentos que utilizam até hoje. “Quando eu cheguei aqui os instrumentos chegaram juntos. Esperávamos há muito tempo essa substituição. Recebemos 70 instrumentos musicais e mais 80 estantes para partituras. Nós temos 45 alunos na banda oficial e mais 15 na escolinha. Queremos fomentar ainda mais o crescimento da música dentro da escola, dentro da instituição e agregar mais alunos”.

De acordo com o diretor da unidade escolar, José Carlos de Figueiredo, o recebimento dos novos instrumentos provocou  felicidade em toda comunidade escolar. “Quando a gente analisa e recebe os alunos que participam da banda, a gente vê o sorriso dos alunos. Para nós, é uma realização, porque isso nunca aconteceu, então esse momento nos deixa muito realizado”.

Comunidade

Jaqueline Suellen Teixeira Ramão mora na região do Coophavila há 10 anos, tem sete filhos, sendo que quatro participam da banda da Escola. “Um dos meus filhos participou também da fanfarra aqui na escola, hoje está no Exército e toca lá, o outro, de 18 anos, faz faculdade de música. Eu acho muito importante os instrumentos novos porque eles já vêm de uma caminhada de cinco anos de banda e a gente já tem uma noção do que é o instrumento novo e o que está bem desgastado, porque perde a qualidade do som”.

O aposentado Luciano da Silva Vasconcelos estava na escola para prestigiar os dois filhos que tocam na banda. “Fazer parte da banda de fanfarra é, querendo ou não, uma preparação para a vida que a escola fornece. É um orgulho ter a escola aqui no bairro atendido todos os meus seis filhos. Faz muito tempo que eles esperavam isso, os novos instrumentos e agora chegaram, estão todos eufóricos, inclusive o maestro, todo mundo”.

Alunos

Esther Teixeira tem 13 anos, é aluna do 8º ano e toca desde 2019 o eufônio. “Quando comecei a tocar, entrei no trompete. Aí depois de um ano mais ou menos eu fui para o eufônio, o som dele é muito bonito e eu gosto da banda não só pela música, mas sim porque a gente é tipo uma família aqui também. Termos novos instrumentos faz a gente se sentir importante, valorizados”.

Anderson Douglas do Santos Rocha tem 14 anos e toca trombone de vara. “Toco desde 2020, quando começou a pandemia e desde lá peguei gosto pela música. Me interessei pelos instrumentos de sopro e me encantei pelo trombone. É bom saber que temos novos instrumentos, porque a qualidade do nosso som vai ser melhor a partir de agora”.

FonteAgência Municipal de Campo Grande