Embaixada da China no Brasil oferece ajuda financeira e insumos ao governo do Amazonas

A embaixada da China no Brasil ofereceu ao governo do Amazonas apoio financeiro e doação de insumos para o enfrentamento da pandemia de Covid-19. O estado enfrenta um colapso do sistema de saúde, com falta de leitos e de oxigênio para os pacientes internados. Nesta terça-feira (19), sete pessoas morreram em um hospital de Coari (AM) por falta de oxigênio.

Em ofício com data desta segunda-feira (18), a embaixada chinesa pede que o governo do Amazonas forneça informações de contato e indique pontos para recebimento de “doações tanto institucionais como empresariais do lado chinês”.

“Sensibilizada com a situação, esta embaixada está mobilizando o efetivo engajamento de instituições e empresas chinesas no Brasil para auxiliar de forma concreta neste momento desafiador, tais como oferecer apoio financeiro e doar itens e insumos prioritários para salvar vidas”, diz o documento.

A nota não detalha a quantidade e o tipo de doações que a embaixada pretende enviar ao Amazonas.

Nesta semana, o governo da Venezuela começou a enviar ao estado caminhões com 107 mil metros cúbicos de oxigênio para uso médico.

  • OXIGÊNIO: Entenda por que é tão importante para pacientes com Covid
  • SOLIDARIEDADE: Saiba como fazer doações para ajudar Manaus

 

Carta para Xi Jinping

 

Em outra frente, o deputado Fausto Pinato (PP-SP), presidente da Frente Parlamentar Brasil-China, protocolou na embaixada chinesa em Brasília uma carta endereçada ao presidente da China, Xi Jinping.

No documento, Pinato pede atuação direta do político chinês para a liberação de exportação de insumo farmacêutico ativo (IFA) ao Instituto Butantan e à Fundação Oswaldo Cruz para a continuidade da produção das vacinas CoronaVac e Oxford/AstraZeneca no Brasil.

“O tempo é o maior inimigo na luta contra a Covid-19. O Brasil é um dos países mais afetados pelo vírus em todo o mundo, com 8,5 milhões de infectados e mais de 210 mil mortos”, diz o deputado brasileiro.

Segundo o blog de Andreia Sadi, a postura “bélica” do chanceler brasileiro Ernesto Araújo tem atrapalhado negociações para a liberação do insumo necessário à produção da CoronaVac.

Essa atitude pode afetar o envio de insumo chinês para a produção da vacina CoronaVac pelo Instituto Butantan, de São Paulo, informou o blog de Valdo Cruz.