Em comício, Trump diz que mandou reduzir testagem nos EUA e afirma que Brasil ‘não está bem’ frente à pandemia

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, participou neste sábado, em Tulsa, no Oklahoma, de seu primeiro comício desde 2 de março, antes da pandemia de Covid-19 se disseminar pelos Estados Unidos. Com um público abaixo do esperado, contrariando as expectativas presidenciais, Trump buscou reforçar sua campanha de reeleição com ataques a Joe Biden, candidato democrata à Presidência, e se vangloriar da resposta de seu governo à crise sanitária, amplamente criticada por especialistas.

Interferência: Trump demite procurador que investigou seus aliados, diz secretário de Justiça dos EUA

Trump disse ainda que salvou “milhões de vidas” ao paralisar a economia, interrupção da qual foi um dos maiores críticos. Citando o Brasil e a Suécia como exemplos, o presidente americano disse que o cenário poderia ter sido pior se tivesse adotado a estratégia de imunização coletiva ou de rebanho, em que os que sobreviveram ao vírus carregam imunidade e impedem o vírus de se disseminar:

— Perguntem como eles estão no Brasil. Não estão bem. E ele é meu amigo — disse Trump, se referindo ao presidente Jair Bolsonaro.

1 COMENTÁRIO

  1. Faltou fazer uma associação direta e incisiva, de Donald Trump, Jair Messias Bolsonaro, Iván Duque, Lenín Moreno, Sebastián Piñera e Jeanine Áñes Chávez, com às mortes pelo covid-19.

Comments are closed.