Deputado representa Assembleia Legislativa no lançamento do Programa Agro+ MS

Nesta noite (21/9), foi apresentado pelo ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Blairo Maggi, no auditório do Centro de Convenções Rubens Gil de Camillo, o Plano de Modernização e Desburocratização da Agricultura. Na ocasião aconteceu a adesão do Governo do Estado ao Programa Agro+ MS.

Também foi lançado o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) para o Curso Boas Práticas Agropecuária (BPA) e foram entregues 22 veículos para a Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (Iagro), adquiridos com recursos de convênios firmados entre o MAPA, com a contrapartida do governo.

O deputado Paulo Corrêa (PR) comentou sobre a adesão ao Programa do Governo Federal. “O Agro+ é muito importante do ponto de vista de termos crédito com taxas de juros diferenciadas para a produção rural e entendemos que a ‘Âncora Verde’ é a coisa principal que temos no Brasil, a vinda do Ministro Blairo Maggi junto ao governador Reinaldo Azambuja (PSDB) significa a valorização do agronegócio no Estado, demonstrando que Mato Grosso do Sul é um dos estados que mantém, com a ‘Âncora Verde’, o Brasil andando”, destacou.

O deputado Junior Mochi (PMDB), presidente da Casa de Leis, falou da parceria existente entre a Assembleia Legislativa e o Estado. “Somos parceiros de todas as ações que objetivam o desenvolvimento do Estado. Um evento como esse é extremamente importante, a vinda do ministro vai atender as nossas comunidades, de forma especial o setor que mais cresce e o maior responsável pelo Produto Interno Bruto [PIB] do Estado e pelo nosso desenvolvimento nos últimos tempos, que é o setor agropecuário. Então a Assembleia Legislativa está e estará sempre atenta a todas essas questões que simbolizam e são fundamentais para o Estado”, enfatizou o presidente.

O deputado Marcio Fernandes (PMDB), presidente da Comissão de Agricultura, Pecuária e Políticas Rural, Agrária e Pesqueira da Assembleia Legislativa, mencionou os investimentos no setor do Agronegócio. “ É um motivo de satisfação para nós, sul-mato-grossenses, e para nós que temos a economia pautada no agronegócio, a presença do ministro aqui, sabemos da sua competência e do trabalho que ele realizou no seu Estado enquanto governador e senador. Há uma diversificação no agronegócio em MS, que antes era somente o binômio soja-gado. Foi inaugurado um frigorífico de abate de jacarés, uma coisa inovadora, e exótica. Espero que tenhamos boas notícias e mais investimentos cheguem ao nosso Estado”, ressaltou.

O deputado Renato Câmara (PMDB) relatou a importância do fomento ao agronegócio em Mato Grosso do Sul.  “O agronegócio, sem dúvida nenhuma, é o maior pilar de desenvolvimento da economia do nosso Estado, a presença do ministro e várias autoridades falando de um programa para o desenvolvimento do setor faz com que a gente possa continuar crescendo, continuar se desenvolvendo e consequentemente, melhorando a vida das pessoas”, comentou.

O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Blairo Maggi, explicou o Programa Agro+. “Nasceu no Ministério e visa desburocratizar os processos para facilitar a vida dos produtores e a vida daqueles que fornecem insumos. Nós fizemos a nossa parte dentro do Governo Federal, mas os estados também têm legislações próprias, nossa sugestão é que os estados chamem os agricultores, pecuaristas, associações, entidades, a classe política, para que cada um coloque sua preocupação, para saber o que atrapalha ou ajuda em Mato Grosso do Sul. Não envolve dinheiro nenhum, mas envolve boa vontade de todos”, reiterou.

O governador Reinaldo Azambuja relatou os passos que o Governo vai tomar após a adesão ao Agro+. “Nós vamos chamar a classe produtora de todos os níveis, para ouvir deles quais os gargalos, quais os problemas, o que eles entendem que podemos melhorar a nossa eficiência. Muitas vezes uma norma pode ser mudada, remodelada, melhorada, então, mudar essas normas adequando às mudanças já feitas nas legislações federais trará uma dinâmica melhor, com a desburocratização e o produtor terá um avanço. Não dá para fazer em tudo, mas naquilo que é possível será feito”, considerou Azambuja.