Deputado Evander intercede e Governo Federal repatria brasileiros que estudam na Bolívia

Neste fim de semana, cerca de 500 brasileiros que moram e estudam na Bolívia cruzaram a fronteira por Corumbá para retornarem ao Brasil. O pedido de repatriação foi intermediado pelo deputado estadual Evander Vendramini (Progressistas) e pelo deputado federal Beto Pereira (PSDB), que recorreu ao Ministério das Relações Exteriores. Os nacionais que retornaram ao Brasil estavam na cidade de Santa Cruz de La Sierra.

Em função da pandemia por coronavírus, as fronteiras haviam sido fechadas pelo Itamaraty. O órgão pretende repatriar todos os mais de 900 brasileiros que moram no país vizinho, em sua maioria, estudantes de medicina ou recém-formados.

Moradora de Miranda (MS), a estudante Tayná Gloder descreveu a dificuldade de retornar ao Brasil devido à restrições impostas, tendo que procurar alguém que pudesse intervir junto ao Itamaraty e ao Governo Boliviano. Após ter seu pedido atendido, a estudante de medicina agradeceu o empenho dos parlamentares em suas redes sociais. “Quero aqui deixar meus agradecimentos ao amigo Duty Paiva que, por meio do deputado estadual Evander Vendramini e deputado federal Beto Pereira, foi uma das principais pontes de acesso a esses meios [consulado e embaixada brasileiros na Bolívia]”, escreveu.

Duty é assessor do deputado progressista, que, assim que soube da situação, não mediu esforços para ajudar no retorno desses compatriotas. “Sei que o governo boliviano está fazendo um controle sanitário exemplar neste momento delicado, de cuidados extremos e de distanciamento social. Mas para essas pessoas que estavam longe de suas casas e de seus familiares, esse isolamento seria muito mais difícil. O que eu e o deputado Beto fizemos foi devolver a esses estudantes a segurança e o calor do seio familiar”, afirmou Evander.

Antes de entrarem no País, os estudantes repatriados passaram por barreiras sanitárias na sede da Receita Federal em Corumbá. Agentes das forças de segurança de Mato Grosso do Sul fizeram a triagem e conferência da documentação e técnicos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) farão o acompanhamento clínico de quarentena dos repatriados, que já seguiram para casa.