Depoimento de ex-assessor de Trump à PF teve telefonema para Eduardo Bolsonaro e aparição de assessor da Presidência

BRASÍLIA – Pouco antes do presidente Jair Bolsonaro discursar nos atos de 7 de setembro, o ex-assessor de Donald Trump Jason Miller e o empresário Gerald Brant, que estavam no Brasil para reuniões com bolsonaristas e chegaram a se encontrar com o presidente, eram alvo de diligências da Polícia Federal no Aeroporto de Brasília. Relatório da PF sobre o episódio mostram que eles acionaram o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) para socorrê-los e também registra uma aparição repentina de um assessor do Palácio do Planalto nos depoimentos.

O relatório integra o inquérito sobre milícias digitais com ataques à democracia, conduzido pela delegada Denisse Ribeiro. Segundo o documento, assim que foi abordado pela PF Jason Miller, por volta das 10h, solicitou um advogado e foi colocado em contato com um representante da Embaixada dos Estados Unidos no Brasil. Ao mesmo tempo, o empresário brasileiro Gerald Brant, que o acompanhava, telefonou para o filho 03 de Bolsonaro.

Na matéria completa, exclusiva para assinantes, veja os bastidores do depoimento que contou com a presença do assessor especial da Presidência, Felipe Martins.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui