Defesa aprova compras de R$ 56 milhões para picanha, filé e salmão no menu das Forças Armadas

O menu de iguarias de novos processos de compra realizados para abastecer as Forças Armadas no último ano incluem itens como como picanha, salmão e filé mignon. De janeiro de 2021 a fevereiro de 2022, sob a gestão do ex-ministro da Defesa Braga Netto, que deve ser o vice de Bolsonaro na eleição, foram identificados processos no valor total de R$ 25,3 milhões para adquirir 557,8 mil quilos só de filé mignon destinados os comandos da Marinha, da Aeronáutica e do Exército, além da Indústria de Material Bélico do Brasil (Imbel). Os dados foram identificados em levantamento realizado pelo deputado federal Elias Vaz (PSB-GO).

O cardápio também inclui 373,2 mil quilos de picanha no valor total de R$ 18,7 milhões e 254 mil quilos de salmão somando R$ 12,2 milhões. Esses montantes se referem a processos de compra, feitos mediante pregão ou dispensa de licitação, que foram aprovados e vão sendo adquiridos pelas Forças Armadas, gradativamente.

— É vergonhoso! Enquanto tem brasileiro se alimentando de sopa de osso, o governo Bolsonaro gasta milhões com luxos para um pequeno grupo. Com certeza esse cardápio não é para os soldados rasos, mas para a cúpula das Forças Armadas — afirmou Elias Vaz.

A equipe do parlamentar analisa a possibilidade de sobrepreço em alguns dos pregões. Um deles é o processo destinado à compra de 23 mil quilos de filé mignon para o Grupamento de Apoio do Galeão, no Rio de Janeiro, cujo quilo é estipulado em R$ 71. Esse pregão foi realizado em fevereiro e dezembro do ano passado, sendo que, dois meses antes, foram identificados pregões com o preço do filé mignon inferior.

FonteGlobo/ Bela Megale