Curso de maquiagem às detentas da capital leva qualificação e estimula cuidados pessoais

Como forma de estimular a autoestima e propiciar capacitação profissional, internas do Estabelecimento Penal Feminino “Irmã Irma Zorzi” (EPFIIZ), da capital, realizaram o curso de “Automaquiagem”. O aprendizado foi proporcionado pela parceria entre Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen) e Poder Judiciário, por meio da 2ª Vara de Execução Penal.

Com a participação de 20 reeducandas, as aulas foram ministradas pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) com carga horária total de 12 horas e direito ao certificado. Para complementar os ensinamentos, as internas receberam doações de diversos cosméticos da linha Tracta, que foram oferecidos pela representante da marca no Estado, Maria do Rocio.

Todas as técnicas de maquiagem foram aplicadas em algumas internas, e logo após cada uma utilizou no próprio rosto. Segundo o instrutor do Senac, Marcos Soares Baliero, é demonstrado desde a correção e higienização da pele até o passo a passo no uso de cada produto e dos pincéis, além de truques para realçar os pontos fortes de cada beleza.

Os produtos para o curso foram doados por uma empresa parceira da ação
 

“É de extrema importância esse curso para as mulheres em situação de prisão, além de ser uma oportunidade de se profissionalizarem possibilita que tenham outro objetivo, porque mexe com as emoções, a autoestima e os sentimentos delas; e o conhecimento nunca é demais, mesmo porque abre novos horizontes”, complementa Marcos.

A reeducanda Raquel Nunes Sanches, 25 anos, está presa há sete meses e afirma que nunca deixou de se cuidar nesse tempo. “Achei muito interessante o curso, porque eu não conhecia muito sobre maquiagem e aprendi a fazer limpeza da pele, combinar cores e usar de forma correta o blush, corretivo, batom e sombra”, afirmou a custodiada, que pretende usar as técnicas dentro e fora do presídio. “Essas aulas me ajudaram muito a ter uma boa apresentação e vai contribuir quando eu procurar um emprego lá fora”, finalizou.

Presa há pouco mais de um ano, a interna Jéssica Fabiana Cáceres, 21 anos, já tinha noção de maquiagem, mas realizou o curso para se aperfeiçoar ainda mais nas técnicas. “Isso levanta muito nossa autoestima, gostei bastante, é um sinal de que não somos esquecidas aqui dentro, porque com frequência são disponibilizadas qualificações para nós e sempre que posso eu faço”, declarou.

Segundo a diretora do estabelecimento penal, Mari Jane Boleti Carrilho, cuidar da beleza é fundamental para qualquer mulher, independentemente das circunstâncias em que se encontram. “O nosso objetivo é sempre mostrar às reeducandas que estar aqui é algo passageiro e a melhor forma de resgatar valores e transformar comportamentos é oferecendo cursos profissionalizantes, que mostram que cada uma tem seu valor e são capazes de voltarem de forma diferente ao convívio social”, ressalta.