Covid-19: França relaxa regras de isolamento para contaminados e casos de contato

França vai aliviar, a partir da segunda-feira (3), as regras de isolamento para as pessoas com Covid-19 e seus contatos quando tiverem o esquema vacinal completo a fim de preservar a vida socioeconômica do país, anunciou o governo.

Segundo as novas regras, as pessoas que testarem positivo e estiverem com o esquema vacinal completo deverão se isolar por sete dias e mais não dez.

Não haverá necessidade de quarentena para as pessoas de contato com o esquema de vacinação completo, embora tenham de respeitar as regras de uso de máscaras e distanciamento social e “fazer testes regulares”, explicou o ministro francês da Saúde, Olivier Véran, em entrevista ao Journal du Dimanche.

 

Preservar equilíbrio socioeconômico

 

A mudança das regras responde à necessidade de “se levar em conta a evolução extremamente rápida da transmissão da variante ômicron na França” e permitir “ter um equilíbrio de custo-benefício visando a assegurar o controle dos contágios, enquanto se preserva a vida socioeconômica”, explicou o ministério de Saúde em um comunicado.

A pasta destacou, ainda, que os primeiros dados virológicos apontam a “um período de incubação da variante ômicron mais rápida do que as variantes anteriores, o que favorece uma redução da duração do isolamento”.

As pessoas que testarem positivo e não tiverem completado o esquema vacinal deverão se isolar por dez dias.

Será mantida, ainda, uma quarentena de sete dias para os contatos de uma pessoa contagiada que não tiverem completado o esquema vacinal e estes deverão obter um exame negativo após este período para poderem sair do isolamento.

O uso da máscara passa a ser obrigatoria para crianças acima de 6 anos – até então reservada aos maiores de 11 anos – a partir de amanhã também nos transportes públicos, estações e aeroportos.

O uso de proteção facial voltou a ser obrigatória nas ruas da região parisiense no último dia 31.

Mais de um milhão de casos de contaminações foram registrados nos últimos sete dias na França.

FontePor G1