Convênio entre Governo e prefeitura da capital possibilita troca de informações entre as áreas de inteligência

Foi publicado na edição do Diário Oficial do Estado (DOE) desta segunda-feira (30.10), o extrato do termo de cooperação firmado pelo Governo do Estado, por intermédio da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), e pela Prefeitura Municipal de Campo Grande, através da Secretaria Especial de Segurança e Defesa Social (Sesdes), que possibilita a troca de informações entre as áreas de inteligência da Sejusp e da Guarda Municipal Civil.

Conforme a publicação, a prefeitura terá acesso às informações do Sistema Integrado de Gestão Operacional (Sigo), que é operado pelo Estado. Em contrapartida, o Governo vai ter acesso ao banco de dados do Centro Integrado de Controle Operacional (CCO), ou seja, as imagens do sistema de videomonitoramento do município, e acesso à base de dados do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), permitindo assim o aperfeiçoamento dos respectivos bancos de dados e questões de interesse técnico.

A reunião para acertar os detalhes finais da parceria ocorreu na semana passada e contou com a participação do secretário da Sejusp, José Carlos Barbosa, o superintendente de Inteligência (SISP), delegado Antônio Carlos Costa Mayer, o secretário especial da Sesdes, Valério Azambuja, o secretário-adjunto Lorenzo Gaidarj, e o policial federal aposentado, Jeferson Rodrigues, que assumirá o comando da Inteligência da Guarda Municipal Civil de Campo Grande.

“É muito claro que na questão de segurança pública precisamos trocar informações para chegar a um determinado resultado, e sabemos da importância em promover cada vez mais os setores da inteligência, e com esse convênio vamos disponibilizar senhas do Sigo para a Guarda Municipal, e dessa forma ela atuará com mais eficiência no trabalho do dia a dia. Será um grande avanço para o combate ao crime em nossa Capital”, explica Barbosa.

O termo de cooperação tem duração de dois anos, contados a partir do dia da assinatura e pode ser prorrogado por igual período. José Carlos Barbosa afirma ainda que a melhor maneira de combater a criminalidade é investir na inteligência. “Não podemos ter policiais em todos os lugares ao mesmo tempo, é humanamente impossível, então nos resta investir em tecnologias e em parcerias que fortalece o trabalho das forças de segurança”, finaliza.